04:29 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e da Síria no convés do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov no Mediterrâneo

    Tropas da Síria, Irã e Rússia perseguem al-Baghdadi na fronteira com Iraque

    © Sputnik / Serviço de Imprensa da Frota do Norte/Andrey Luzik/USO EDITORIAL
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6181

    Segundo relatos anteriores, líder do grupo terrorista Daesh foi morto por ataques aéreos ou de artilharia dos EUA ou da Rússia em diversas ocasiões.

    Vários funcionários iraquianos falando à Fox News disseram que o chefe do ex-califado terrorista Daesh ainda está foragido. Tropas internacionais estariam envolvidas de forma ativa em sua caça.

    O diretor-geral do escritório de inteligência e contraterrorismo do Ministério do Interior iraquiano, Abu Ali al-Basri, disse ao canal de notícias que, de acordo com as estimativas de sua agência, al-Baghdadi está escondido na área de Al-Hajin, leste da Síria, a 29 quilômetros da fronteira com o Iraque.

    Segundo al-Basri, os relatos do paradeiro de al-Baghdadi são recentes e estão sendo usados ​​para realizar ataque envolvendo forças russas, sírias e iranianas.

    O porta-voz do Ministério da Defesa do Iraque, general Yahya Rasool, confirmou a Fox acreditar que Al-Baghdadi esteja vivo, e que ele possa estar localizado na área de fronteira ao leste do rio Eufrates, possivelmente na cidade de al-Shadaddah na província de al-Hasakah, no nordeste da Síria. "Não é difícil para ele se esconder no deserto da Síria", disse o oficial.

    A força aérea iraquiana intensificou seus ataques contra alvos do Daesh na Síria nos últimos dias. Forças iraquianas anteriormente atacaram Daesh em ataques aéreos no dia 19 de abril, matando 36 militantes e coordenando os detalhes da operação com forças sírias, russas e iranianas.

    Mais:

    Como um pequeno erro de al-Baghdadi quase causou a destruição do Daesh
    Moscou está cética em relação à alegada captura americana de al-Baghdadi
    EUA: al-Baghdadi pode estar vivo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik