19:35 07 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10411
    Nos siga no

    Os contínuos ataques de Israel contra alvos na Síria e as acusações altamente divulgadas do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu contra o Irã parecem destinadas a levar o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a uma guerra com o Irã, disseram analistas à Sputnik.

    Netanyahu disse na segunda-feira que o Irã mantinha um programa de armas nucleares, apesar de assinar o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA) com os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, além da Alemanha e da União Europeia (UE) em 2015.

    Netanyahu afirmou durante seu discurso na segunda-feira que a inteligência israelense tem 100 mil arquivos provando que o Irã continuou a manter um programa nuclear secreto.

    Trump descreveu repetidamente o JCPOA como o pior acordo da história dos EUA e agora enfrenta o prazo final de 12 de maio para decidir se os Estados Unidos continuarão ou não fazendo parte do acordo nuclear.

    Alguns esperam que Trump saia do acordo. No entanto, o secretário de Estado Mike Pompeo admitiu durante sua audiência de confirmação que o Irã estava cumprindo seus compromissos sob o acordo.

    Israel parece procurar confronto com Teerã

    O comentarista político Dan Lazare alertou que Netanyahu pode pressionar por um conflito com o Irã, mesmo que Trump decida permanecer no acordo nuclear de 2015 com Teerã.

    "Mesmo que o acordo permaneça em vigor, Netanyahu ainda pode pressionar por um confronto com o Irã, deixando Trump com pouca escolha a não ser ir adiante", avaliou Lazare.

    Netanyahu vem usando todo o apoio político que Israel desfruta entre legisladores republicanos e democratas e ambas as câmaras do Congresso dos EUA para aumentar a pressão sobre Trump para sair do acordo nuclear, destacou Lazare.

    "Netanyahu possui imenso poder em Washington, mais na verdade do que Trump. Então, sua performance de mostrar e contar tem, sem dúvida, um efeito enorme", revelou.

    O premiê israelense está deliberadamente escalando os perigos do conflito na Síria para tentar forçar o governo dos EUA a uma situação em que não tinha escolha a não ser apoiar Israel em um confronto com o Irã, alertou Lazare.

    "A questão da guerra não está inteiramente nas mãos de Washington. Seja qual for o impacto do discurso de Netanyahu, suas repetidas incursões com bombas, supondo que continuem, vão falar muito mais alto que palavras", disse.

    Capacidade de decisão dos EUA

    Por outro lado, o governo dos EUA não é um jogador passivo que Netanyahu pudesse manipular à vontade, destacou Lazare.

    "Washington não é totalmente massa nas mãos dos israelenses. Pelo contrário, os americanos são grandes e são perfeitamente capazes de descobrir onde seus interesses imperiais estão por conta própria. E isso definitivamente não está em provocar outra Explosão do leste", analisou.

    A maioria dos membros do Congresso pareceu favorecer a permanência no acordo nuclear com o Irã, afirmou Lazare.

    Além disso, "quando o momento da verdade chegar, Trump também se renderá à razão […] Mas isso não significa que uma explosão não ocorrerá", afirmou.

    Trump ainda pode ser puxado para uma guerra com o Irã por Israel, assim como seu antecessor, o presidente Barack Obama, foi obrigado a apoiar a atual guerra aérea da Arábia Saudita no Iêmen, observou Lazare.

    "Obama achou que não tinha escolha a não ser fornecer apoio, e é por isso que, três anos depois, os Estados Unidos se encontram em mais um atoleiro", continuou.

    Trump, como Netanyahu, tornaram o mundo mais perigoso

    O professor de Antropologia da Universidade de Minnesota e historiador do Oriente Médio William Beeman, autor do livro O Grande Satã contra os Mulás Loucos, disse acreditar que Trump já havia decidido abandonar o acordo nuclear de 2015 e que os comentários de Netanyahu haviam sido planejados para ajudá-lo a fazer isso.

    "O golpe de Netanyahu foi planejado para dar cobertura à capa de Trump, que parece que já decidiu desclassificar o JCPOA em 12 de maio […] Netanyahu deu a ele algo para apontar e seguir em frente com essa ação destrutiva", disse.

    No entanto, Beeman apontou que Netanyahu não revelou nenhuma informação nova sobre o programa nuclear iraniano em sua apresentação na segunda-feira.

    "A conferência de Netanyahu pode ser descrita como um 'cão barato e show de pônei'. Ele não revelou absolutamente nada de novo. Todos os 'documentos' tinham mais de 15 anos e sem a capacidade de inspecioná-los, não há como para avaliar a sua relevância para a situação atual no Irã", ponderou.

    Os diagramas que Netanyahu mostrou em sua apresentação estão disponíveis na Wikipedia ou em qualquer texto de engenharia nuclear elementar, observou Beeman.

    "O que é um fato difícil é que o Irã tem escrupulosamente aderido às provisões do JCPOA. Netanyahu sugeriu sombriamente que os iranianos poderiam estar trapaceando, mas ele não fornece nenhuma evidência para isso. É tudo insinuante […] Estúpido além da crença", afirmou.

    As nações europeias ainda poderiam resgatar o JCPOA, mas teriam que fazê-lo sem os Estados Unidos, aconselhou Beeman.

    "A verdade é que Trump está prestes a tornar o mundo um lugar muito mais perigoso", disse. A Casa Branca afirmou em comunicado na segunda-feira que os Estados Unidos apoiaram os esforços de Israel e elogiaram os dados coletados pela inteligência israelense, o que pareceu dar credibilidade às alegações de Netanyahu.

    Mais:

    Defesa de Israel: Irã congela programa nuclear para tirar proveito máximo
    Conflito entre Israel e Irã pode causar 'pior guerra jamais vista no Oriente Médio'
    EUA: programa nuclear de Israel não será discutido até que vizinhos árabes reconheçam país
    Tags:
    armas nucleares, guerra, diplomacia, acordo nuclear, JCPOA, União Europeia, William Beeman, Dan Lazare, Benjamin Netanyahu, Donald Trump, Irã, Israel, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar