18:59 13 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Etiquetas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) vistas em uma casa destruída em Douma, 23 de abril de 2018

    OPAQ quer exumar corpos em Douma para analisar suposto uso de armas químicas

    © REUTERS / Ali Hashisho
    Oriente Médio e África
    URL curta
    433

    Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) planejam exumar para testes os corpos das vítimas de um suposto ataque com armas químicas em Douma, na Síria, disse nesta quinta-feira Ahmet Uzumcu, chefe da OPAQ.

    "Dos corpos já enterrados, procuramos maneiras de exumar, se possível, e de algumas amostras biomédicas", contou Uzumcu em entrevista ao jornal Financial Times.

    Segundo Uzumcu, a Missão de Descoberta da OPAQ já coletou mais de 100 "amostras ambientais", mas elas se deterioram rapidamente, enquanto amostras biomédicas poderiam mostrar se cloro ou um agente nervoso foram usados durante o suposto ataque.

    O chefe da OPAQ acrescentou que pode levar um mês para que a missão, que foi implantada no país árabe desde 14 de abril, publique seu relatório sobre o suposto incidente em Douma.

    A tensão em torno da Síria aumentou após um suposto ataque com armas químicas em Douma em 7 de abril.

    O especulado ataque levou os Estados Unidos, França e Reino Unido a disparar mais de 100 mísseis contra o que eles chamavam de locais de armas químicas do governo sírio. Já o governo de Bashar Assad negou usar substâncias perigosas contra civis.

    Moscou e Damasco refutaram as acusações, dizendo que o ataque químico foi encenado e condenaram os ataques ocidentais.

    Mais:

    Médico de Douma comenta detalhes suspeitos do suposto ataque químico na cidade
    OPAQ coleta amostras em Douma para investigar suposto ataque químico
    Participante da encenação com armas químicas em Douma revela verdade (FOTO)
    Tags:
    conflito sírio, sarin, cloro, armas químicas, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Ahmet Uzumcu, Síria, Douma
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik