05:14 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    060
    Nos siga no

    A ataque dos países ocidentais contra a Síria em resposta a um suposto ataque químico complicou a situação no país, prejudicando a possibilidade de uma solução política para o duradouro conflito na Síria, afirmou neste sábado (28) o ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif.

    "O desenvolvimento dos eventos na Síria, especialmente as ações militares dos Estados Unidos e alguns de seus aliados ocidentais na Síria, complicou as condições lá, reduzindo a possibilidade de se chegar a uma solução política para a crise", disse Zarif em uma reunião. com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e com o chefe da diplomacia da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

    Ele também lembrou que a reunião trilateral entre os países estaria sendo realizada devido ao recente ataque na Síria por parte dos Estados ocidentais.

    "Era necessário que os ministros das Relações Exteriores dos países garantidores do processo de Astana se reunissem e trocassem opiniões sobre como continuar os processos de Astana e Sochi", acrescentou Zarif.

    No início deste mês, os Estados Unidos, o Reino Unido e a França lançaram ataques aéreos na Síria, tendo como alvo instalações do governo. Os ataques foram uma forma de retaliação diante de denúncias de autoridades que usavam armas químicas contra civis na cidade de Douma.

    O governo sírio refutou as acusações, enquanto a Rússia denunciou as ataques.

    Mais:

    Rússia proíbe entrada de políticos lituanos 'hostis'
    Apenas 2 regiões da Ásia compram mais de 50% das armas da Rússia
    Rússia dará resposta 'proporcional' às sanções dos EUA, diz legislador russo
    Deputado ucraniano quer privar Rússia da Ponte da Crimeia como 'indenização'
    Tags:
    Rússia, França, EUA, Reino Unido, Síria, Turquia, Sochi, Estados Unidos, Douma, Astana, Mohammad Javad Zarif, Sergei Lavrov, Mevlut Cavusoglu, Guerra da Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar