21:29 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, foto de arquivo

    Países muçulmanos devem se unir contra 'tirania' dos EUA, diz líder do Irã

    © AP Photo / Serviço de imprensa do líder supremo iraniano
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14236

    O Irã não tolerará "intimidação" dos Estados Unidos e outros poderes "arrogantes", disse o líder supremo, Aiatolá Ali Khamenei. Ele conclamou todas as nações muçulmanas a se unirem contra esses "inimigos".

    Teerã "resistiu com sucesso às tentativas de intimidação dos Estados Unidos e de outros poderes arrogantes e vamos continuar resistindo", afirmou Khamenei nesta quinta-feira. "Todas as nações muçulmanas devem permanecer unidas contra a América e outros inimigos".

    Os comentários do líder supremo seguem o aviso do presidente dos EUA, Donald Trump, de que o Irã "pagará um preço como poucos países já pagaram" em caso de qualquer ameaça, atacando o acordo nuclear de 2015 que ele disse ter "perdido as fundações".

    Trump também observou que alguns países do Oriente Médio "não durariam uma semana" sem o apoio dos EUA, durante uma conferência de imprensa ao lado do presidente francês Emmanuel Macron.

    Macron disse que acredita que um novo acordo com o Irã deve ser forjado, ao invés do acordo ser descartado, com o programa balístico do Irã e sua influência regional também cobertos. O JCPOA, que viu Teerã restringir seu programa nuclear em troca do levantamento das sanções econômicas, é apenas um dos quatro pilares. Os outros, disse Macron, incluem o Irã abandonando seu desenvolvimento de mísseis balísticos e contendo sua influência na Síria, no Iraque e no Líbano.

    Teerã sustenta que não pode haver um "plano B" para o acordo, com o ministro de Relações Exteriores, Mohammed Javad Zarif, dizendo recentemente que "é tudo ou nada".

    A Rússia — também signatária do JCPOA, junto com EUA, França, Alemanha e Reino Unido — alertou nesta quinta-feira que qualquer mudança no acordo poderia interromper "um mecanismo equilibrado, que considera os interesses de todas as partes". Isso resultaria em "graves conseqüências para a segurança internacional e a não-proliferação", disse a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Maria Zakharova.

    Mais:

    Embaixador israelense acusa Irã de recrutar 80 mil soldados xiitas na Síria
    Irã promete sair do acordo nuclear se EUA se retirarem
    Israel retaliará se Irã atacar Tel Aviv, avisa ministro da Defesa
    Tags:
    programa nuclear, diplomacia, ameaças, acordo nuclear, JCPOA, Maria Zakharova, Emmanuel Macron, Donald Trump, Aiatolá Ali Khamenei, Estados Unidos, França, Rússia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik