10:08 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Sede do Pentágono em Washington, EUA

    Pentágono não tem indicações de que Síria realizará ataque químico

    © AFP 2018 / STAFF
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4 0 0

    A porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Dana White, disse nesta quinta-feira (19) que não viu nenhum sinal que sugira que as forças do governo sírio lançarão um ataque químico em breve.

    "Não vimos nenhuma indicação de que o regime de Assad esteja disposto a lançar outro ataque com armas químicas. No entanto, continuamos atentos", disse a porta-voz Dana White em coletiva de imprensa.

    No entanto, o Pentágono alertou que, de acordo com sua avaliação, as forças do governo ainda são capazes de lançar ataques químicos "limitados".

    A porta-voz disse ainda que não houve vítimas civis como resultado dos lideradas pelos EUA e disse estar "confiante, mas não 100% certo" de que agentes químicos estavam presentes em todos os três locais visados.

    O governo do presidente sírio, Bashar Assad, foi acusado de realizar um ataque químico na cidade de Douma, em Damasco, no início deste mês, apesar de não haver evidências que implicassem o Exército Sírio ou outras forças do governo no incidente.

    Segundo as alegações da organização Capacetes Brancos e do grupo terrorista Jaysh al-Islam, o suspeito ataque químico matou dezenas de pessoas, levando os EUA, o Reino Unido e a França a atacar instalações militares e alvos do governo na Síria, incluindo uma instalação de pesquisa científica que produzia medicamentos para uso doméstico.

    Mais:

    Moscou acusa EUA de apoiar autonomia da Frente al-Nusra no sul da Síria
    Especialista militar desvenda como Rússia usa mísseis dos EUA recolhidos na Síria
    Trump: Batalha entre forças dos EUA e russos na Síria foi 'um triste acontecimento'
    Embaixada dos EUA na Itália avisa cidadãos sobre protestos contra ataques à Síria
    Tags:
    ataque químico, armas químicas, Capacetes Brancos, Douma, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik