12:49 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Centro militar de pesquisa, na cidade síria de Barzeh, atingido por um míssil lançado durante o ataque dos EUA, Reino Unido e França em 13 de abril

    Analistas russos: por que alvos dos EUA na Síria não liberaram resíduos após ataques?

    © Sputnik / Yazan Kalash
    Oriente Médio e África
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)
    14262

    Os Estados Unidos devem estar bem cientes de que não havia estoques de produtos químicos nas instalações da Síria que a coalizão destruiu em seu ataque de "retaliação", avaliaram especialistas russos em armas químicas, observando a ausência de emissões tóxicas.

    Ao anunciar os ataques com mísseis no início da manhã de sábado, a coalizão americano-britânica-francesa afirmou que suas forças estavam alvejando compostos associados aos supostos estoques de armas químicas da Síria.

    Agora, depois que a poeira baixou, surgem sérios questionamentos sobre a presença real de quaisquer substâncias perigosas nesses locais, incluindo a instalação científica bombardeada no distrito de Barzeh, no norte de Damasco.

    "Este centro de pesquisa científica foi inspecionado várias vezes por especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ). Além disso, uma decisão foi tomada para realizar tais inspeções duas vezes por ano", disse Anton Utkin, especialista russo em armas químicas e ex-inspetor da ONU no Iraque, à RT.

    Os representantes do órgão de armas químicas não encontraram vestígios de substâncias venenosas dentro do centro, apesar de terem sido inspecionados "de cabeça para baixo, dentro e fora". A única razão pela qual o composto Barzeh foi colocado no radar é que "resíduos de aminas foram encontrados lá", disse Utkin, explicando ainda que as aminas não são armas químicas ou agentes nervosos, mas apenas substâncias que podem ser usadas como "estabilizadores" na produção de armas químicas.

    No entanto, como a instalação em questão estava sujeita a uma inspeção detalhada, "os americanos sabiam que não havia armas químicas", enfatizou Utkin. Portanto, sugeriu o especialista, ao visar a instalação de Barzeh, a coalizão liderada pelos EUA estava aparentemente tentando "destruir as capacidades científicas da Síria, já que o centro estava buscando vários objetivos de [uso] de uso civil".

    "No entanto, o ataque foi realizado e os americanos sabiam que não estavam arriscando nada, já que não poderia haver emissão de armas químicas deste centro", avaliou.

    Apuração

    Se alguma coisa, o ataque liderada pelos EUA se tornou um grande golpe para a Convenção sobre Armas Químicas — um acordo de 1997 do qual os EUA são parte — argumentou o especialista.

    "Tudo isso está escrito na convenção, a saber, como agir, como realizar uma investigação, etc", continuou Utkin, acrescentando que os americanos parecem preferir confiar em especulações da mídia em vez de em fatos estabelecidos.

    Anteriormente, Washington alegou ter provas convincentes do alegado ataque químico em Douma, obtido através da navegação nas redes sociais e outras fontes abertas — assim como inteligência secreta que não pode ser divulgada. O ataque com mísseis "retaliatórios" ocorreu várias horas antes de os inspetores da OPAQ visitarem o local do incidente químico para iniciar a investigação.

    "Bem, isso é pelo menos ridículo", disse Utkin, comparando a situação a um programa de TV "em que alguns médiuns dizem que podem contar o que aconteceu com vítimas de ofensas criminais a julgar por suas fotografias".

    O especialista disse que a missão de investigação da OPAQ tem boas chances de verificar se armas químicas foram realmente usadas em Douma — ou armazenadas nos locais atingidos pela coalizão. Coletar amostras de sangue e urina dos supostamente feridos, bem como estudar seus sintomas, será crucial, pois traços de cloro ou qualquer outro agente de guerra química permanecem no corpo humano por várias semanas.

    Cadê o vazamento?

    O professor Valery Petrosyan, membro da Academia Russa de Ciências Naturais e ex-especialista em segurança química da ONU, ecoou a avaliação de Utkin.

    "É óbvio que, se os ataques visaram estoques de cloro ou de alguns agentes nervosos, teria havido uma liberação [de tais gases]", comentou. Isso significa que "ou os mísseis erraram seus alvos, ou tais estoques não existem de forma alguma".

    Antes, um engenheiro da instalação de Barzeh informou à RT Arabic que os laboratórios estavam fazendo remédios e testando brinquedos para segurança. "Você pode ver por si mesmo que nada aconteceu. Estou aqui desde as 5h da manhã. Não há sinais de produtos químicos para uso em armas", disse ele.

    O pesquisador disse que trabalhava nas instalações há décadas e costumava desenvolver remédios e produtos químicos domésticos. O engenheiro confirmou que os inspetores da OPAQ "visitaram o local várias vezes com uma inspeção minuciosa".

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)

    Mais:

    'Jogo perigoso': 'buracos negros' da Rússia impedem submarinos britânicos de atacar Síria
    Estados Unidos pretendem criar força árabe que substitua seu contingente na Síria
    Síria afirma ter interceptado novos mísseis
    Tags:
    conflito sírio, armas químicas, bombardeio, ataque aéreo, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Valery Petrosyan, Anton Utkin, França, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia, Síria, Barzeh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik