17:12 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Mísseis cruzam o céu sobre Damasco durante ataque norte-americano ao país, na noite entre 13 e 14 de abril

    Embaixador da Rússia: ataque dos EUA na Síria terá consequências

    © AP Photo / Hassan Ammar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (87)
    736610

    As ações empreendidas hoje na Síria terão consequências, e a responsabilidade total recai sobre os Estados Unidos, o Reino Unido e a França, disse o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, em um comunicado após o ataque.

    "As piores apreensões se tornaram realidade. Nossos alertas não foram ouvidos. Um cenário premeditado está sendo implementado. Novamente, estamos sendo ameaçados. Advertimos que tais ações não serão deixadas sem consequências", disse Antonov na sexta-feira. 

    "Toda a responsabilidade cabe a Washington, Londres e Paris", disse o diplomata.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, discursa em Ohio, em 29 de março de 2018
    © AP Photo / Pablo Martinez Monsivais
    Na noite de sexta-feira, Trump disse um ataque estava em andamento, em resposta ao suposto ataque químico em Douma, que Damasco e Moscou negam. 

    Os analistas estão intrigados com a lógica da decisão de Trump de enfrentar o "assassino Assad" com chuva de explosivos na Síria, matando sírios.

    As cidades de Damasco, Homs, uma instalação de pesquisa em Barzeh foram supostamente atacadas durante as operações militares dos EUA, Reino Unido e França.

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (87)

    Mais:

    Exército sírio intercepta pelo menos 20 mísseis
    Defesa antiaérea síria dispara contra míssil antes da explosão (VÍDEO)
    Macron revelou os alvos dos ataques aéreos na Síria
    França confirma ataque à Síria em parceria com Reino Unido e Estados Unidos
    Theresa May confirma que Reino Unido realizou ataques aéreos na Síria
    Explosões são ouvidas em Damasco (VÍDEO)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik