00:44 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa antiaérea de mísseis do Irã

    Recado para Trump: Irã promete produzir armas se EUA deixarem acordo nuclear

    © AP Photo / Ministério da Defesa do Irã
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10210

    O presidente iraniano Hassan Rouhani alertou que os EUA irão se arrepender de sair do marco do acordo nuclear de 2015 e verão as consequências "em menos de uma semana", caso siga adiante com a tão discutida retirada.

    "O Irã não violará o acordo nuclear, mas se os EUA desistirem do acordo, certamente irão se arrepender", disse Rouhani na segunda-feira, durante uma cerimônia que marca o 12º aniversário do Dia Nacional de Tecnologia Nuclear. Ele acrescentou que a resposta de Teerã "será mais forte do que eles imaginam e eles veriam isso em uma semana".

    O presidente dos EUA, Donald Trump, "tem grandes reivindicações e muitos altos e baixos em suas palavras e ações, e tenta há 15 meses quebrar o Plano de Ação Integral JCPOA", afirmou Rouhani, acrescentando que o pacto histórico é tão forte que "não tenha sido abalado por tais terremotos".

    Acabar com o acordo prejudicaria a reputação internacional dos EUA, enquanto o Irã emergiria na opinião pública global como um ator responsável e cooperativo, avaliou o presidente iraniano. "Se eles se retirarem, isso significaria que eles não estão comprometidos com suas palavras", acrescentou.

    Rouhani enfatizou que o Irã não pode se dar ao luxo de desperdiçar seu tempo aumentando suas capacidades militares, dizendo: "nós produziremos todas as armas necessárias para defender nosso país em uma região tão volátil […] mas não usaremos nossas armas contra nossos vizinhos".

    Rouhani não é o único alto funcionário a alertar os EUA sobre o acordo nuclear. Na semana passada, Ali Akbar Salehi, chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, disse que "condições especiais surgirão" se Washington desistir do acordo. Se os líderes do Irã decidirem agir, haverá "uma surpresa especial para aqueles que saquearem o acordo", continuou ele, conforme citado pela Press TV.

    "Estamos procurando seriamente preservar nossos interesses e soberania nacionais, mas se os Estados Unidos se retirarem e a Europa e outras grandes potências se retirarem deste acordo, definitivamente faremos algo diferente", acrescentou.

    A advertência de Rouhani vem logo após os relatos de que o governo Trump está flutuando estratégias para sair do JCPOA, coloquialmente conhecido como "acordo nuclear com o Irã", e impor novamente sanções a Teerã.

    A Casa Branca estabeleceu o dia 12 de maio como o prazo final para o acordo ser renegociado, e Trump já ameaçou que Washington pode desistir do acordo se suas exigências para consertar suas "terríveis falhas" não forem cumpridas. Trump pediu especificamente a remoção das chamadas "cláusulas do pôr-do-sol", que permitem ao Irã retomar gradualmente as atividades nucleares na próxima década.

    Trump notoriamente descreveu o acordo como o "pior negócio já negociado" e repetidamente ameaçou descartá-lo. Os proponentes do acordo de 2015 dizem que se retirar agora, os EUA ficarão mais para trás na construção de laços duradouros com Teerã.

    "Se nos afastarmos do que eles fizeram, serão 30 anos antes de outro presidente sentar-se com os iranianos para negociar", disse o ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que ajudou a negociar o acordo, no Conselho de Assuntos Mundiais de Villanova. Universidade na semana passada. "Então estaremos no caminho certo, se algo der errado, de confronto".

    Adotado pelo Irã e pelas principais potências mundiais — a saber, China, França, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha — o JCPOA estipula que Teerã deve reduzir em dois terços o número de suas centrífugas de enriquecimento de urânio, limitar o grau de enriquecimento abaixo do nível necessário para o material para armas, e reduzir seu estoque de urânio enriquecido em 98% por 15 anos.

    Em troca, as sanções de uma década impostas a Teerã, relacionadas a alegações de um programa secreto de armas nucleares, foram suspensas. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão internacional encarregado de monitorar a conduta do Irã como parte do acordo, diz que Teerã tem cumprido plenamente seu lado do acordo.

    Mais:

    Inimigos do Irã: príncipe saudita reconhece que Israel tem 'direito' a ter sua terra
    Guarda Revolucionária do Irã critica ataque israelense a palestinos e defende 'retaliação'
    Príncipe herdeiro saudita adverte sobre provável guerra com Irã
    Ministro israelense sobre assessor de Trump: 'Ele tentou me persuadir a atacar Irã'
    Tags:
    diplomacia, acordo nuclear, JCPOA, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali Akbar Salehi, Hassan Rouhani, Donald Trump, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik