11:00 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Mohammad bin Salman bin Abdulaziz Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita, em Londres, para encontrar a premiê britânica, Theresa May, em 7 de março de 2018

    Ativistas do Iêmen apresentam queixa contra príncipe saudita por crimes de guerra

    © AP Photo / Alastair Grant
    Oriente Médio e África
    URL curta
    770

    Uma associação iemenita de direitos humanos apresentou uma queixa junto a uma corte de Paris contra o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman bin Abdulaziz Al Saud, por supostos crimes cometidos na guerra do Iêmen.

    De acordo com a ação defendida pelo advogado francês Joseph Breham, que representa a organização, Salman, que está na França desde domingo, seria cúmplice de atos de tortura cometidos no Iêmen durante o conflito com rebeldes houthis, que são alvo de uma violenta campanha militar internacional liderada por Riad há mais de três anos. Além disso, segundo documentos consultados pelo France Info, o herdeiro do trono e ex-ministro da Defesa saudita é acusado de visar conscientemente populações civis iemenitas em ataques a campos de deslocados internos, mercados, edifícios residenciais e hospitais.

    "Com Mohammad bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita."

    A denúncia contra os sauditas apresentada em Paris também faz referência, ainda de acordo com o France Info, ao uso de munições cluster — categoria de armas proibidas por uma convenção internacional aprovada por 108 Estados, da qual a Arábia Saudita não é membro —, a "desaparecimentos forçados" e prisões secretas que seriam mantidas pelos Emirados Árabes.

    Desde o início das ações da coalizão árabe no Iêmen, a Arábia Saudita já utilizou mais de 150 mil militares e mais de 100 aeronaves na luta contra os rebeldes do país vizinho, onde a intervenção já deixou milhares de vítimas.

    A visita do príncipe Salman à França, parte de seu tour internacional para divulgar as reformas liberais que o governo saudita vem realizando, tem sido fonte de forte dor de cabeça para o presidente francês, Emmanuel Macron, que está sendo pressionado por diversos grupos para suspender as exportações de armas para Riad. De acordo com uma pesquisa recente realizada pelo YouGov, cerca de 75% dos franceses apoiam a ideia de interromper imediatamente o envio de armamentos para a Arábia Saudita, contra 70% dos britânicos e 52% dos norte-americanos. 

    Mais:

    Míssil balístico foi disparado contra base militar saudita
    Arábia Saudita planeja transformar Qatar em uma ilha
    Líder do Irã é pior do que Hitler, diz príncipe da Arábia Saudita
    Ataque da coalizão da Arábia Saudita mata 12 pessoas, inclusive 7 crianças, no Iêmen
    Tags:
    violência, guerra, Paris, Riad, França, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik