01:43 22 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Representante permanente dos EUA na ONU Nikki Haley

    EUA exigem acesso ao local de suposto ataque químico na Síria

    © AFP 2018 / KENA BETANCUR
    Oriente Médio e África
    URL curta
    639

    Os Estados Unidos insistem em acessar o local do suposto ataque com armas químicas na Síria e conduzir uma investigação independente, disse neste domingo (8) a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley.

    "O Conselho de Segurança tem que se unir e exigir acesso imediato para socorristas, apoiar uma investigação independente sobre o que aconteceu e responsabilizar os responsáveis por essa atrocidade", disse Haley.

    No começo do dia, 9 dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU pediram a convocação de uma reunião de emergência para discutir relatos sobre o suposto uso de armas químicas na Síria.

    Na segunda-feira (9), a Rússia planeja uma reunião à parte do Conselho de Segurança da ONU para discutir ameaças à paz e segurança internacionais.

    No sábado (7), vários meios de comunicação, citando militantes sírios, acusaram Damasco de usar armas químicas na cidade de Duma, no leste da Ghouta, na Síria. 

    O assessor de segurança interna do presidente dos EUA, Donald Trump, Tom Bossert, disse no domingo que não descartou as ações militares contra o governo sírio em conexão com os relatórios. Ao mesmo tempo, Trump acusou a Rússia e o Irã de apoiar o líder sírio Bashar Assad.

    Também no início do dia, o Centro de Reconciliação Síria do Ministério da Defesa da Rússia refutou os relatórios sobre o uso de uma bomba de cloro na síria, acrescentando que a Rússia estava pronta para enviar seus especialistas para coletar dados que confirmariam a natureza artificial das declarações.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que os ataques de informação sobre o suposto uso de armas químicas pelas forças do governo sírio eram falsos e tinham como objetivo encobrir os terroristas e justificar uma possível ação militar externa. O ministério alertou contra qualquer ação militar baseada em relatórios improvisados e fabricados, acrescentando que isso pode ter conseqüências severas.

    Mais:

    Rebeldes começam a deixar cidade síria de Douma em troca da libertação de reféns
    EUA querem provocar Moscou com declaração sobre Síria, diz parlamentar russo
    Trump promete que culpados 'pagarão caro' pelo ataque químico na Síria
    Moscou: acusações de ataques químicos na Síria visam justificar intervenção militar
    EUA responsabilizam Rússia por ataques químicos na Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Nikki Haley, Bashar Assad, Estados Unidos, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik