19:08 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Avigdor Lieberman

    Ministro de Israel ameaça matar palestinos que chegarem à fronteira

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1733

    Dias depois do derramamento de sangue ao longo da fronteira com Gaza, o ministro da Defesa de Israel, Avigdor Liberman, prometeu uma resposta letal àqueles que se aproximarem da cerca da fronteira novamente.

    "Qualquer um que se aproxime da cerca colocará em risco suas vidas", disse Liberman em mensagem de vídeo para o jornal Jerusalem Post, a partir do Kibbutz Holit, perto do sul da Faixa de Gaza. Liberman enfatizou que todos os manifestantes enfrentariam franco-atiradores israelenses.

    A advertência veio apenas algumas horas depois que um palestino, Ahmad Arafeh, foi vítima de tiros israelenses ao longo da fronteira com Gaza, elevando o número de mortos para 18 desde sexta-feira, quando cerca de 30.000 palestinos começaram a protestar.

    Uma campanha de seis semanas chamada "A Grande Marcha de Retorno" é um protesto contra os assentamentos israelenses no antigo território palestino, que são agora parte de Israel. Um número de manifestantes se aproximou da fronteira, alguns jogando pedras, e os israelenses responderam com gás lacrimogêneo, tiros e tanques.

    O derramamento de sangue provocou preocupação internacional e condenação. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, a chefe de política externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, e a organização de direitos humanos Anistia Internacional pediram uma "investigação independente e transparente".

    No entanto, todos os apelos por uma investigação independente sobre os incidentes ao longo da fronteira de Gaza foram rejeitados por Liberman. O ministro disse que as tropas agiram apropriadamente e atiraram apenas contra manifestantes palestinos que representavam uma ameaça. A Força de Defesa Israelense (IDF) afirmou que todos os palestinos que foram mortos a tiros na fronteira eram combatentes do Hamas.

    A Human Rights Watch (HRW) definiu tais alegações como tentativas de "justificar assassinatos de outra forma ilegais". Os palestinos disseram que os manifestantes eram refugiados desarmados e indefesos, pois alguns deles exigiam o direito de voltar para o território atualmente ocupado por Israel, que foi perdido durante a guerra árabe-israelense de 1948. O território foi ocupado pelo Estado de Israel desde o momento de sua formação.

    Antes dos protestos que se desenhavam na sexta-feira, o Ministério de Relações Exteriores de Israel divulgou um vídeo no qual advertiu que o Hamas está "preparando-se para violentos distúrbios e combates armados na fronteira israelense na próxima sexta-feira".

    Além de ser uma mensagem do ministério, o vídeo afirma que os palestinianos "são violentos manifestantes, não manifestantes pacíficos".

    Durante sua visita à fronteira da Faixa de Gaza, o ministro da Defesa disse que os manifestantes "não eram civis inocentes que vieram protestar". Liberman disse ao Jerusalem Post: "A maioria dos que foram mortos são terroristas conhecidos que estão ativos na ala militar do Hamas ou na Jihad Islâmica".

    O vice-diretor da HRW para o Oriente Médio, Eric Goldstein, rebateu: "Os soldados israelenses não estavam apenas usando força excessiva, mas aparentemente agindo sob ordens que asseguravam uma resposta militar sangrenta às manifestações palestinas".

    A organização pediu ao governo israelense que reconheça que "mesmo na ausência de uma supervisão doméstica séria, os funcionários que ordenam força letal ilegal podem ser submetidos a processos no exterior como uma questão de jurisdição universal ou em fóruns judiciais internacionais".

    Mais:

    Israel cancela acordo com ONU para deportar refugiados africanos um dia após aprovação
    Inimigos do Irã: príncipe saudita reconhece que Israel tem 'direito' a ter sua terra
    Israel e EUA arquitetam 'plano perigoso' no Oriente Médio, afirma parlamentar iraniano
    Tags:
    israelenses, palestinos, terrorismo, violência, União Europeia, Anistia Internacional, HRW, Jihad Islâmica, Hamas, IDF, Ahmad Arafeh, Eric Goldstein, Antonio Guterres, Federica Mogherini, Avigdor Lieberman, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik