00:41 21 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Militantes do movimento Hamas

    Ministro israelense: ONU se transforma em 'chancelaria do Hamas'

    © REUTERS / Ibraheem Abu Mustafa
    Oriente Médio e África
    URL curta
    828

    O ministro israelense da Segurança Pública, Gilard Erdan, declarou que Israel não tem que cooperar com a ONU, porque esta organização internacional se transformou na "chancelaria da organização terrorista Hamas", e Israel pode por si mesmo realizar a investigação dos incidentes na fronteira com a Faixa de Gaza.

    Na sexta-feira (30), ao longo da fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, começou uma série de manifestações anti-israelenses designadas Grande Marcha do Regresso, que deverão continuar até meados de maio. As ações de protesto juntaram milhares de palestinos e os israelenses têm usado armas de fogo contra os manifestantes mais agressivos.

    Conforme os dados recentes, em resultado dos confrontos com o exército israelense, morreram ao menos 16 pessoas. O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou para investigar os acontecimentos em Gaza, incluindo as mortes de pessoas durante os confrontos.

    "Não há nenhuma razão para cooperar com a ONU. A ONU é uma estrutura inimiga… A ONU se transformou no Ministério das Relações Exteriores da organização terrorista Hamas", declarou na entrevista à rádio Galei Tzahal, respondendo à pergunta se se justifica Israel cooperar com a ONU, caso essa organização venha a investigar os incidentes na fronteira com a Faixa de Gaza.

    O ministro israelense acrescentou que, mesmo que tenham tido lugar algumas "violações", Israel tem "os seus órgãos de investigação independentes que sabem investigar independentemente".

    Mais:

    Dos 15 mortos por Israel em Gaza, 5 eram da ala militar do Hamas
    Sobe para 14 o número de palestinos mortos durante protesto em Gaza
    Moscou pede que israelenses e palestinos 'se contenham' após relatos de mortes em Gaza
    Tags:
    investigação, confrontos, ONU, Hamas, Faixa de Gaza, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik