13:51 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do exército sírio na entrada para Harasta, Síria

    Exército sírio acha minas e granadas de possível produção israelense em Ghouta Oriental

    © REUTERS / Omar Sanadiki
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8161

    As forças sírias continuam descobrindo novas evidências sobre os tipos de armas, instalações e táticas usadas pelos grupos extremistas durante a ocupação de Ghouta Oriental, na Síria.

    O exército sírio encontrou munições, em especial minas e granadas, produzidas em Israel na cidade de Harasta, a cerca de dez quilômetros de Damasco, de acordo com informações da Press TV, citando a televisão governamental síria. A cidade foi ocupada pelo grupo extremista Ahrar al-Sham. Os militares sírios libertaram a cidade no sábado (24).

    Esta é já a segunda descoberta desse tipo nas últimas semanas. No mês passado, a agência de notícias síria SANA publicou o vídeo de um grande armazém do que disse serem armas e munições fabricadas em Israel, deixadas pelo Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) no leste da Síria.

    Mais de 4.000 militantes e suas famílias deixaram Harasta com destino a Idlib na sexta-feira (23).

    Além do equipamento militar israelense, o exército sírio encontrou muitas sepulturas de civis e militares que teriam sido assassinados pelos terroristas, instalações subterrâneas e oficinas de produção de armas.

    O exército sírio lançou a operação Aço de Damasco no mês passado a fim de conter os ataques de mísseis dos islamistas contra a capital síria. Após o início da operação, Damasco controla agora de 85 a 90% do território de Ghouta Oriental.

    Mais:

    Mais de 9 mil terroristas deixaram Ghouta Oriental pelo corredor humanitário
    Exército Sírio encontra vala comum com dezenas de civis mortos em Ghouta Oriental
    Mais de 1.700 civis foram mortos em Ghouta Oriental nas últimas semanas, diz ONU
    Tags:
    munição, equipamento militar, exército, armas, Síria, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik