00:07 22 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Militares turcos na fronteira entre a Turquia e Iraque

    Ancara promete tomar medidas caso Bagdá falhe em realizar operação contra curdos

    © AFP 2018 / Mustafa Ozer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    162

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o chefe de inteligência do país vai se encontrar com um representante das autoridades iraquianas no final do dia para discutir a potencial operação em Sinjar (cidade no Curdistão iraquiano).

    Nesta segunda-feira (26), o líder da Turquia afirmou que Ancara fará tudo o que for necessário caso o Iraque falhe em limpar a cidade de Sinjar dos curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido na Turquia.

    "Ontem eu recebi dados dos nossos serviços de inteligência que as autoridades iraquianas iniciaram algumas ações [militares] em Sinjar [contra PKK]. Nós estamos monitorando o que se passa ali", afirmou o titular.

    "Hoje virá do Iraque à Turquia um representante oficial do governo e depois das conversações entre ele e o chefe da nossa inteligência surgirão resultados concretos. Gostaríamos que as autoridades do Iraque realizassem essa operação por conta própria, contudo, caso haja problemas, nós realizaremos novas conversações com Bagdá e faremos tudo o que for necessário", assinalou Erdogan aos jornalistas.

    Anteriormente, o presidente turco afirmou repetidamente que a operação militar de Ancara na Síria contra as formações curdas compreenderá as regiões de Manbij e de Idlib, avançando até à fronteira com o Iraque.

    A cidade iraquiana de Sinjar e as áreas adjacentes, povoadas principalmente por curdos yazidis, foram conquistadas pelos terroristas da organização Daesh (proibida na Rússia e em vários outros países) no início de 2014. Milhares de pessoas foram mortas ou tornadas escravas.

    Em dezembro de 2015, os combatentes do PKK conseguiram libertar Sinjar e formaram na área forças de autodefesa.

    No início de 2017, as autoridades do Curdistão iraquiano exigiram que o PKK retirasse as suas tropas da área. De acordo com os veículos da mídia leais ao PKK, isso foi feito devido à pressão por parte de Ancara, que considera o PKK como organização terrorista.

    Mais:

    Turquia testa primeiros mísseis balísticos de fabricação nacional
    Negociação de adesão da Turquia na UE deve ser interrompida, diz chanceler da Áustria
    Fechada com os S-400 russos, Turquia ainda negocia compra dos Patriot dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik