22:58 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados sauditas olhando para um avião militar no Iêmen

    Apoio americano à operação no Iêmen visa enfraquecer Irã, alerta analista

    © REUTERS / Faisal Al Nasser
    Oriente Médio e África
    URL curta
    350

    O príncipe saudita, Mohammed Bin Salman, está em Washington para visitar a Casa Branca e ficará satisfeito ao saber que o Senado dos EUA desaprovou a lei que poderia acabar com o apoio militar aos aviões de guerra da Arábia Saudita, que efetuam bombardeamentos e lançamentos de mísseis no Iêmen.

    Há pouco, um grupo bipartidário de senadores propôs limitação do poder presidencial quanto ao posicionamento de militares em lugares sem autorização, permitindo, assim, que o Congresso retire tropas de regiões conflituosas, por exemplo, do Iêmen, que, de acordo com a ONU, sedia a maior e mais grave crise humanitária nos últimos 50 anos.

    Conforme declarou à Sputnik Internacional Tighe Berry, membro da organização pró-paz CODEPINK, de fato, as duas opções eram claras: de um lado, votando "Sim, eu quero ir para a guerra ao lado da Arábia Saudita, um dos maiores países violadores dos direitos humanos no mundo", e do outro "Eu não quero estar do lado dos maiores violadores dos direitos humanos".

    Dez democratas votaram contra a medida bipartidária em 20 de março, ficando do lado dos republicanos para deixar os EUA continuar a apoiar a operação no Iêmen.

    O senador Bernie Sanders declarou em 15 de março que a guerra no Iêmen tem sido desastre humanitário como resultado da intervenção da Arábia Saudita, mas a votação mais importante trata-se de permitir participação ou não das tropas norte-americanas no conflito.

    Em uma carta de 14 de março, o secretário de Estado dos EUA, James Mattis, escreveu que, sem uma assistência militar contínua, a morte de civis pode aumentar, agravando situação na região e crise humanitária. Para o Pentágono, o melhor meio de reduzir os casos de morte entre civis é continuar reabastecendo aviões que lançam mísseis contra centros civis.

    O apoio dos EUA à coalizão liderada pela Arábia Saudita também visa apoiar os desejos de Riad de ser uma potência regional em meio à concorrência de Teerã. Em outras zonas de conflito no Oriente Médio, tais como Iraque, Síria ou Líbano, o Irã conseguiu acumular parceiros regionais para infelicidade da Arábia Saudita.

    Mohammad Marandi, professor da Universidade de Teerã, disse em entrevista à Sputnik Internacional que "os iranianos são céticos quanto às intenções dos EUA, chegando a crer que muito do que fazem os EUA nesta região é por causa de Israel, para apoiar a política israelense na Síria e no Iêmen, e por causa do Irã. Devido à hostilidade dos EUA em relação ao Irã, qualquer grupo, país ou governo visto como aliado do Irã é considerado inimigo dos EUA".

    Marandi explicou que mesmo quando sauditas se comportam de forma errada, por exemplo, quando exportam extremistas, recebem apoio dos norte-americanos por acreditarem que tais ações prejudicam Teerã.

    Mais:

    Sob presidência de Trump EUA continuam dominando mercado global de armas
    General dos EUA admite: não sabemos como sauditas usam nossas armas no Iêmen
    Arábia Saudita promete criar bomba nuclear caso Irã faça o mesmo
    Tags:
    civis, guerra, conflito, Congresso dos EUA, Mohammed bin Salman, Arábia Saudita, Iêmen, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik