01:26 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) marcham durante uma parada militar em homenagem à Guerra Irã-Iraque, de 1980-1988

    Chanceler do Irã detona príncipe por crimes no Iêmen e papel de Riad no 11 de Setembro

    © REUTERS / MORTEZA NIKOUBAZL
    Oriente Médio e África
    URL curta
    12130

    O Ministério de Relações Exteriores do Irã descreveu o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman como "delirante" e "ingênuo" após as observações que ele fez em um recente programa de TV dos EUA. Entre suas reivindicações, o saudita alegou que o Irã estava abrigando terroristas.

    "As afirmações de Bin Salman sobre o Irã, que aloja os líderes da Al-Qaeda, são uma grande mentira", disse Bahram Qasemi, citado pelo site Al Masdar News.

    "Eles foram presos e extraditados para seus respectivos governos, de acordo com seus documentos e nacionalidades, incluindo vários membros da família de Bin Laden, que por causa de suas nacionalidades sauditas, Riad foi informado. Na sequência da coordenação, a filha de Bin Laden foi extraditada para a embaixada da Arábia Saudita em Teerã", emendou.

    Bin Salman está programado para se encontrar com o presidente dos EUA, Donald Trump, o vice-presidente Mike Pence e o consultor de segurança nacional HR McMaster. No entanto, o Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano vê toda a turnê como um exercício cínico de auto-promoção antes da ascensão assumida de Bin Salman ao trono saudita.

    "Bin Salman em sua visita aos EUA está tentando abrir caminho para sua coroação, mas parece que despejar as centenas de bilhões de dólares do povo saudita na indústria de armas dos EUA não serviu ao propósito, e ele agora está tentando rejeitar os registros comprovados dos governantes atuais da Arábia Saudita no apoio ao terrorismo e ao extremismo", acrescentou Qasemi. Para o contexto, os sauditas adquiriram US$ 110 bilhões em armas nos EUA em junho de 2017.

    Bin Salman foi altamente crítico em relação ao governo iraniano ao falar com Norah O'Donnell, da rede CBS News, em uma entrevista que foi ao ar na quinta-feira passada, acusando Teerã de influenciar pessoas no Iêmen. "A ideologia iraniana penetrou em algumas partes do Iêmen. Durante esse tempo, essa milícia estava conduzindo manobras militares bem perto de nossas fronteiras e posicionando mísseis em nossas fronteiras", comentou Bin Salman.

    "O Irã não é um rival da Arábia Saudita. Seu exército não está entre os cinco maiores exércitos do mundo muçulmano", acrescentou o príncipe saudita. "A economia saudita é maior que a economia iraniana. O Irã está longe de ser igual à Arábia Saudita", continuou.

    No entanto, Qasemi respondeu duramente às críticas do príncipe, ao mesmo tempo em que destacava o sucesso do acordo nuclear do Irã. "Suas palavras não valem a pena responder, porque ele é uma pessoa ingênua ilusória que apenas conta mentiras amargas e nada além de comentários irreverentes", respondeu.

    "É melhor para um país que foi colocado de joelhos, depois de três anos de cometer crimes de guerra contra o povo iemenita sitiado e indefenso, não falar sobre seu exército e economia e ser feliz com a compra de armas 'bonitas' e a sensação importada de segurança e fique em silêncio diante de um país poderoso como o Irã", disse o Ministério de Relações Exteriores iraniano, citado pelo jornal The Tehran Times.

    Mais:

    Senador dos EUA sugere que Trump abandonará acordo com Irã em maio
    Próximo de Ahmadinejad, ex-vice-presidente é preso no Irã
    Irã tenta influenciar eleições no Iraque, dizem EUA
    Tags:
    diplomacia, ameaças, relações bilaterais, terrorismo, Mike Pence, Osama bin Laden, Bahram Qasemi, Mohammed bin Salman, Arábia Saudita, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik