13:54 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Líderes Africanos posam para uma foto em grupo durante encontro com o objetivo de criação de um acordo de livre comércio conjunto dentro do continente. O evento aconteceu entre os dias 17 e 21 de março em Kigali, capital de Ruanda.

    Países africanos fecham maior acordo de comércio internacional desde a OMC

    © REUTERS / Jean Bizimana
    Oriente Médio e África
    URL curta
    551

    Nesta quarta-feira (21) líderes de 44 países do continente africano firmaram o maior acordo de comércio internacional desde a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 1995.

    A Área de Livre Comércio da África (AfCFTA, na sigla em inglês) é um acordo realizado nos moldes da União Europeia foi assinado durante a 10ª sessão ordinária dos chefes de estado da União Africana, na capital de Ruanda, Kigali.

    Com o acordo os países africanos criam um mercado unificado continental de 1,2 bilhão de pessoas, com um PIB combinado de mais de US$ 3,4 trilhões. Um dos principais objetivos do acordo é impulsionar o comércio entre as nações africanas e diminuir a dependência da volatilidade dos preços das commodities, que afetam as exportações.

    A meta era que pelo menos 44 dos 55 Estados membros da União Africana (UA) assinem o acordo. A medida entrará em vigor até o final deste ano, disse o presidente da Comissão da UA, Moussa Faki Mahamat. Os Estados agora devem ratificar a iniciativa, mas o número de países necessários para pôr o acordo em vigor ainda não foi atingido.

    "Nossos povos, a nossa comunidade empresarial e a nossa juventude, em particular, não podem esperar mais para ver a superação das barreiras que dividem o nosso continente, impedem a decolagem econômica e perpetuam a miséria, mesmo que a África seja abundantemente rica", afirmou Mahamat.

    No entanto, as preocupações permanecem. O presidente da Nigéria, 

    Muhammadu Buhari, uma das maiores economias da África, ignorou a cúpula, influenciado por objeções dos sindicatos e grandes empresas nigerianas que acreditam que o acordo iria ferir seus interesses. Apesar disso, analistas acreditam que o país deve assinar o acordo, pois participou de seu processo de construção.

    A África do Sul também não assinou o acordo, porém expressou apoio ao projeto.

    Apesar da expectativa de que as maiores economias da África se beneficiem mais do acordo que elimina progressivamente as tarifas e outras barreiras comerciais, alguns países se preocupam com o fato de que mais pessoas de países mais pobres irão migrar de continente.

    Mas algumas das economias mais fortes e de crescimento mais acelerado no continente, incluindo Gana, Quênia e Etiópia, assinaram o acordo.

    "A África é mais forte quando trabalhamos juntos", disse o presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, que liderou o esforço de livre comércio.

    Sob a temática de "Criação de um mercado africano único", a medida faz parte dos objetivos estabelecidos pela UA na Agenda 2063, plano conjunto da organização para metas continentais. A agenda tem um forte tom de integração para o desenvolvimento e o chamado "renascimento africano".

    Mais:

    Fazendo o francês grande de novo: Macron olha para a África
    Novo 'campo de batalha' geopolítico: o que Rússia e EUA buscam na África?
    Imagens fortes: exército dos EUA sofre as maiores perdas em 25 anos na África (VÍDEO)
    Cyril Ramaphosa é eleito o novo presidente da África do Sul
    Presidente da África do Sul renuncia ao cargo após escândalo de corrupção
    Tags:
    comércio internacional, acordo de livre comércio, União Africana, Muhammadu Buhari, Moussa Faki Mahamat, Níger, Etiópia, Quênia, Gana, África do Sul, Ruanda, Nigéria, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik