16:14 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia

    Erdogan diz que Turquia pode atacar todas as cidades curdas na Síria e no Iraque

    © REUTERS / Umit Bektas
    Oriente Médio e África
    URL curta
    618

    A operação militar da Turquia na Síria visará outras cidades curtas – e pode até se espalhar para o Iraque – anunciou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan apenas um dia depois que as forças pró-turcas se apoderarem da cidade síria de Afrin.

    A controversa ofensiva transfronteiriça "prosseguirá até o corredor do terror através de Manbij, Ayn al-Arab, Tell Abyad, Ras al-Ayn, Qamishli for aniquilado", disse Erdogan, falando no complexo presidencial em Ancara na segunda-feira.

    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan fala durante a reunião com investidores internacionais no Palácio presidencial em Ancara, Turquia, 2 de agosto de 2016
    © AFP 2018 / KAYHAN OZER / Serviço público do presidente turco

    Erdogan sugeriu que a operação militar turca pode até se expandir para o Iraque, se necessário, em um esforço para "eliminar" as forças leais ao Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), que Ancara designou como organização terrorista.

    "De repente, podemos passar uma noite no Sinjar do Iraque e eliminar os terroristas do PKK", afirmou Erdogan, segundo a mídia estatal turca.

    Em 20 de janeiro, a Turquia lançou uma ofensiva transfronteiriça contra a Síria com o objetivo de expulsar os "terroristas" curdos de Afrin. O ataque, com o nome de código Operação Ramo de Oliveira, expôs as tensas relações entre Ancara e Washington. O YPG curdo é um importante aliado dos EUA na luta contra os terroristas do Daesh, mas Ancara os vê como um ramo do PKK, designado pelos turcos como um grupo terrorista.

    O anúncio do líder turco ocorre apenas um dia após o Exército turco, auxiliado por seus aliados do Exército Sírio Livre (FSA), apreender a cidade síria de Afrin. Erdogan disse que capturar Afrin era uma "vírgula" e "se Deus quiser, uma parada completa virá próxima". No entanto, ele enfatizou que o país não estava invadindo a Síria.

    "Nossa intenção não é invadir, mas realizar operações para limpar terroristas e eliminar ameaças terroristas ao nosso país", disse ele, conforme citado pelo site Rudaw.

    Milhares de pessoas fugiram de suas casas na região de Afrin na sequência da ofensiva da Turquia. Depois de anunciar a captura da cidade, Erdogan prometeu proteger os residentes de Afrin. No entanto, líderes curdos acusaram os militares turcos e seus representantes de cometerem "massacres" e "limpeza étnica".

    Mais:

    Substância radioativa de US$ 70 milhões leva quarteto para cadeia na Turquia
    Lavrov: Rússia trabalha para acelerar a entrega do sistema S-400 para a Turquia
    Ancara: Turquia e EUA criarão 'zona de segurança' ao redor de Manbij, na Síria
    Tags:
    violência, massacre, limpeza étnica, terrorismo, curdos, curdos sírios, Exército Sírio Livre (FSA), Daesh, Unidades Populares de Proteção do Curdistão (YPG), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Recep Tayyip Erdogan, Qamishli, Ras al-Ayn, Tell Abyad, Ayn al-Arab, Manbij, Iraque, Síria, Afrin, Ancara, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik