08:30 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Voluntários em simulação sobre como reagir a ataque químico em Aleppo (foto de arquivo)

    Para que EUA estariam preparando ataque contra Síria?

    © AFP 2018 / JM LOPEZ
    Oriente Médio e África
    URL curta
    27193

    Os EUA estão preparando uma provocação com armas químicas na Síria para justificar o ataque massivo contra Damasco, afirmou o Estado-Maior russo. O especialista em ciências políticas, Aleksei Mukhin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik falou sobre objetivos que a coalizão ocidental persegue na Síria.

    Os EUA estão preparando uma provocação de militantes em Ghouta Oriental para justificar o ataque massivo dos EUA contra as zonas governamentais de Damasco, afirmou nesta terça-feira (13) o chefe do Estado-Maior General da Rússia, general do exército Valery Gerasimov.

    "Recebemos informação segura sobre preparo dos militantes para implementação do uso de armas químicas por tropas governamentais contra civis", declarou.

    De acordo com ele, após realizar a provocação, os EUA planejam acusar Damasco de utilizar armas químicas e apresentar "provas" da morte massiva entre civis devido às ações do governo sírio.

    Como medida de retaliação, Washington, segundo Gerasimov, "planeja efetuar ataque de mísseis às zonas governamentais de Damasco".

    Anteriormente, Nikki Haley, embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, afirmou que as autoridades norte-americanas estão prontas para novas ações na Síria. 

    "Nós […] alertamos qualquer país que queira impor sua vontade por meio de ataques químicos e sofrimentos insuportáveis, especialmente se refere ao regime sírio: caso for preciso, os EUA estão prontos para agir", assinalou.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em ciências políticas, Aleksei Mukhin opinou por que os EUA estão abertamente ameaçando Damasco.

    "Os EUA estão contribuindo para as tensões na Síria por causa de uma simples razão: eles estão perdendo controle econômico sobre o país. Como resultado das ações conjuntas da Rússia, Irã e Turquia, a influência da ‘ampla coalizão’ liderada pelos EUA na região vem drasticamente diminuindo. Eis o porquê deles [norte-americanos] precisarem de tal tipo de ameaças. A propósito, é muito provável que tal ataque seja realizado. Mas não contra Damasco, acredito que se trate dos locais do posicionamento das tropas [governamentais]", acredita Mukhin.

    O especialista acrescentou que as provocações relacionadas ao uso de armas químicas viraram rotina para os militantes sírios.

    "As provocações com arma química são constantemente organizadas no território sírio: quer seja revelada a produção clandestina destas armas, quer venham à tona tentativas de seu uso. E não é que se trata de um conflito militar aberto, é a guerra dos serviços especiais. Os EUA e outros membros da 'ampla coalizão' estão se comportando na Síria de forma extremamente irresponsável. Ao tentarem estabelecer controle sobre os recursos naturais deste país, eles vão além das normas do direito internacional e para eles, seria muito complicado voltar atrás", concluiu Aleksei Mukhin.

    Mais:

    ONU e Crescente Vermelho preparam comboio de ajuda para o norte da Síria
    Ancara revela quando terminará operação militar na Síria
    Mídia: Daesh está preparando grande ofensiva na Síria
    Tags:
    acusações, coalizão internacional, provocação, ataque químico, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik