07:08 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Prédios destruídos na zona cercada de Douma, Ghouta Oriental

    Militantes bombardeiam exército sírio em Ghouta Oriental em meio à pausa humanitária

    © REUTERS / Bassam Khabieh
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9111

    Os terroristas abriram fogo de morteiros contra as tropas governamentais sírias perto do corredor humanitário no povoado de Muhayam al-Wafedin em Ghouta Oriental, comunicou o correspondente da Sputnik.

    Depois das 9h no horário de Damasco (4h em Brasília), quando a pausa humanitária entrou em vigor, os militantes continuaram os ataques contra o exército sírio que, junto com o Centro para a Reconciliação russo organizou o corredor humanitário para a saída de civis de Ghouta Oriental.

    Na segunda-feira (26), o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse que uma nova pausa humanitária diária em Ghouta Oriental iria começar na terça-feira (27) das 9h às 14h na sequência da respectiva ordem do presidente russo, Vladimir Putin.

    Contudo, o primeiro dia de trégua foi dificultado pelos ataques dos militantes, com o exército sírio não respondendo às provocações. Segundo o Ministério da Defesa russo, depois dos bombardeamentos em Ghouta Oriental, que impediram os civis a deixar o território, os militantes lançaram uma nova ofensiva contra as tropas governamentais.

    Em 24 de fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU adotou a Resolução 2401, que exige que todas as partes do conflito na Síria cessem imediatamente os confrontos e adiram à pausa humanitária em todo o território sírio para prestar ajuda humanitária e evacuar os feridos.

    Mais:

    Militantes lançam nova ofensiva contra forças sírias em Ghouta Oriental
    'Força Tigre' da Síria ignora resolução da ONU e retoma operação militar (VÍDEO)
    Londres ameaça Damasco com ataques aéreos caso uso de armas químicas seja provado
    Tags:
    resolução, terroristas, armistício, cessar-fogo, ONU, Vladimir Putin, Sergei Shoigu, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik