21:58 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    O retrato de Abu Bakr al Baghdadi

    Opinião: EUA duvidam da morte do líder do Daesh para justificar ações militares

    CC BY 2.0 / thierry ehrmann / Abu Bakr al Baghdadi, painted portrait
    Oriente Médio e África
    URL curta
    670

    Recentemente, a coalizão internacional encabeçada pelos EUA comunicou que o líder do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), Abu Bakr al-Baghdadi, pode estar são e salvo, pois não há confirmação da sua morte. O especialista em assuntos do Oriente Yury Zinin revelou à Sputnik o que pode estar por detrás desta afirmação.

    Ontem (26), o representante da coalizão, Ryan Dillon, afirmou durante um briefing ao telefone que a entidade não dispõe de "provas a 100%" de que o líder terrorista esteja morto e, por isso, continua o procurando.

    Ademais, as forças militares do bloco continuarão as buscas de outros líderes do agrupamento, adiantou.

    Ao falar com o serviço russo da Rádio Sputnik, Yury Zinin, especialista em assuntos do Oriente e pesquisador sênior do MGIMO (Instituto de Relações Internacionais de Moscou), opinou que tais declarações são motivadas pelo desejo dos EUA e seus aliados de continuarem as operações militares na Síria, ademais sem o aval do governo do país.

    "Não há uma informação concreta sobre o destino de al-Baghdadi, pois houve vários relatos sobre sua morte que depois foram refutados. Por isso, a pergunta continua sem resposta até que sejam encontradas provas consistentes da sua morte. No que se trata da declaração dos EUA, foi motivada provavelmente pelo desejo de manter sua presença militar no Iraque e na Síria, aonde os norte-americanos não foram convidados a nível oficial", explicou.

    Para mais, o cientista político frisou que, sob este pretexto, Washington quer convencer tanto a mídia quanto a opinião pública nos EUA e no mundo inteiro de que é necessário aumentar o seu potencial militar e não ficar parado até o Daesh ser derrotado.

    Pela primeira vez, al-Baghdadi apareceu em público em julho de 2014 em uma mesquita na cidade iraquiana de Mossul ocupada pelas forças jihadistas, quanto proclamou a instauração do "califado islâmico" no Oriente Médio. Desde daí, a imprensa tem várias vezes publicado informações sobre sua morte, mas estas nunca foram confirmadas.

    Mais:

    Moscou sediará conferência internacional sobre o Oriente Médio
    Apenas Putin pode falar com todos os lados no Oriente Médio, diz ex-general israelense
    Qatar expandirá maior base dos EUA no Oriente Médio para torná-la permanente
    Tags:
    califado, Abu al-Baghdadi, Oriente Médio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik