01:01 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos

    Parlamentar russo recorda 'verdadeira vergonha' da Casa Branca

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10200

    As declarações do presidente Donald Trump sobre os objetivos de Washington na Síria e a “vergonha” das ações da Rússia neste país não têm nada a ver com a realidade, pois a "vergonha" é dos EUA pela divisão da Líbia e da Iugoslávia, bem como pela guerra no Iraque, afirmou Leonid Slutsky, presidente do Comitê do Exterior da Duma de Estado.

    Donald Trump afirmou que os EUA estão na Síria com o único objetivo de eliminar o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), após o que eles "irão para casa". Ademais, o político qualificou como "vergonha" aquilo que a Rússia e o Irã têm feito na Síria.

    "Os motivos para tais declarações de Trump são absolutamente claros: os EUA precisam de atribuir a si mesmos a vitória sobre o terrorismo, subestimando o máximo possível o papel da Rússia e dos seus parceiros no que se trata do processo de paz sírio. Entretanto, isto não tem nada a ver com a realidade. A Rússia, ao contrário dos EUA, está na Síria para prestar assistência na luta contra o Daesh, cujo surgimento, a propósito, foi de fato propiciado pelos EUA com a sua política no Oriente Médio", disse Slutsky à Sputnik.

    O parlamentar relembrou que a Rússia efetua sua operação legitimamente, a pedido das autoridades oficiais da Síria, "de novo, ao contrário dos EUA".

    "Temos lutado e estamos lutando contra os terroristas, e não tentamos, de modo ilegal, derrubar o regime para o bem dos nossos interesses geopolíticos. A Rússia também sempre esteve e continua disposta a prestar assistência no processo de paz pós-guerra e resolução da situação humanitária na Síria", sublinhou.

    Além disso, Slutsky afirmou que Washington tenta "dividir o país [a Síria] em várias partes, sem na verdade prestar a mínima atenção a seus cidadãos".

    O chanceler russo, Sergei Lavrov, também confessou há pouco que "os norte-americanos parecem ter estabelecido a divisão do país como seu objetivo na Síria".

    "Por isso, acredito que 'vergonha' não tem nada a ver com a nossa realidade. Mas provavelmente, se trata da vergonha norte-americana pela Líbia dividida, que de fato deixou de existir como Estado, pela divisão da Iugoslávia, pela guerra no Iraque, desencadeada apenas se baseando em provas fictícias de [ex-secretário de Estado] Colin Powell. Parece que eles nunca chegaram a entender o que fizeram", resumiu.

    Vale ressaltar que o motivo oficial da invasão do Iraque pelos EUA junto com uma coalizão de aliados em 2003 foram as informações da inteligência estadunidense, que assegurava ter encontrado evidências de existência de armas de destruição maciça no Iraque. As provas, de fato, nunca foram apresentadas.

    Mais:

    Damasco: Síria continuará lutando contra agressores, seja Israel, EUA ou Turquia
    ONG: EUA mobilizam terroristas no sul da Síria para atacar Ghouta Oriental
    Analista explica como EUA 'compram' aliados na Síria
    Tags:
    terrorismo, Daesh, Duma de Estado, Leonid Slutsky, Rússia, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik