21:20 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Mahmoud Abbas, presidente da Palestina

    Palestinos e israelenses trocam farpas no Conselho de Segurança da ONU

    © Sputnik / Michael Mordasov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    421
    Nos siga no

    Israel e os EUA criticaram o caminho traçado por Mahmoud Abbas para a paz em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU. O presidente palestino acusou Washington e Tel Aviv de matar negociações e abandonar a solução de dois Estados.

    Falando no Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSC) nesta terça-feira, em meio às tensões em curso entre Israel e a Palestina sobre o reconhecimento dos EUA em Jerusalém como a capital do Estado judeu, Abbas propôs um plano de paz para acabar com o impasse.

    "Para resolver a questão da Palestina, é essencial estabelecer um mecanismo internacional multilateral que emana de uma conferência internacional", disse Abbas, acusando Israel e os EUA de abandonarem a solução de dois Estados, que prevê o futuro Estado palestino nas fronteiras anteriores a 1967 e com Jerusalém Oriental como sua capital.

    Para retornar à mesa de negociações, Abbas quer ver um congelamento da decisão americana de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e nenhuma transferência da embaixada para lá. Ele enfatizou que os fundamentos de qualquer acordo de paz significativo devem incluir Jerusalém Oriental como a capital do Estado da Palestina.

    Ao mesmo tempo, Abbas acusou a liderança judaica de "atuar como um Estado acima da lei", afirmando que transformou uma ocupação temporária em uma "colonização de assentamentos permanentes". O líder palestino também se recusou a aceitar a administração Trump como um honesto protagonista para negociações.

    A decisão de Washington marca a primeira vez desde a divisão da Palestina, em 1947, que um presidente dos EUA, um membro do Quarteto do Oriente Médio – um conhecido quarteto de poderes mundiais que mediam o processo de paz entre a Palestina e Israel – rompeu com a política estabelecida de que a questão de Jerusalém como capital de Israel deveria ser mantida fora da mesa.

    Reação

    Recebendo uma grande rodada de aplausos na sequência do seu discurso, Abbas e a delegação palestina saíram da reunião do CSNU para serem alvos de duras críticas do embaixador israelense Danny Danon, que disse que o presidente palestino de 82 anos "não é mais" digno de representar os palestinos nas negociações.

    "Eu esperava que o Sr. Abbas ficasse no diálogo, mas mais uma vez ele fugiu em vez de ouvir o que temos a dizer. Veja o que aconteceu. O Sr. Abbas veio aqui para colocar suas demandas na mesa. Agora ele espera que você entregue. Este não é o caminho para alcançar a paz. Você não pode evitar negociações diretas", disse Danon, no momento em que Abbas estava saindo.

    Então, uma investida pessoal em Abbas começou. O embaixador israelense disse que Abbas continua buscando reconhecimento internacional, enquanto se recusa a fazer um esforço e dirigir "apenas doze minutos" de Ramallah para falar diretamente com o lado judeu.

    "Você não é mais parte da solução. Você é o problema", disse Danon, acusando o líder palestino de patrocinar o terrorismo com dinheiro derivado da ajuda internacional aos palestinos. O embaixador de Israel, então, acusou Abbas pessoalmente de inspirar uma "cultura do ódio" na sociedade palestina.

    "Os palestinos precisam de uma liderança que investirá na educação, e não glorificará a violência. Eles precisam de liderança que criará hospitais, não pagará terroristas. Eles precisam de liderança que negociará com Israel e não fugirá do diálogo", disse o israelense.

    Danon também deixou claro que o status de Jerusalém não é negociável. "Jerusalém permanecerá a capital incondicional do Estado de Israel para sempre. Nós sempre insistiremos na soberania israelense sobre uma Jerusalém unida".

    EUA no ataque

    A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, também direcionou palavras fortes para Abbas, enquanto defendeu a decisão de Donald Trump que enviou os territórios palestinos ocupados para uma espiral mortal. Observando que a administração Trump "não perseguirá" depois dele, ela ofereceu a Abbas uma "escolha".

    "Existe o caminho das exigências absolutistas, reação odiosa e incitamento à violência. Esse caminho levou e continuará a liderar nada além de dificuldades para o povo palestino", disse Haley. "Ou, há o caminho da negociação e do compromisso. Você pode optar por rejeitar o papel dos EUA nas conversações de paz e prosseguir com os fóruns internacionais, mas isso levará o povo palestino a lugar nenhum, ou você pode continuar conosco", continuou Haley, acrescentando: "Nossa decisão sobre Jerusalém não mudará".

    Sem fim à vista de pré-condições de todos os lados do conflito, o embaixador russo da ONU, Vasily Nebenzia, propôs tratar a fenda no chamado Quarteto (Nações Unidas, Estados Unidos, Rússia e União Europeia).

    "Reitero a nossa prontidão para fornecer a plataforma russa para o encontro entre os líderes palestinos e israelenses sem condições prévias", afirmou. "Nós pensamos que o que é necessário agora é a imediata [renovação] de negociações diretas entre palestinos e israelenses. Estamos convencidos de que o Quarteto do Oriente Médio mantém o seu formato de mediação único […] não há dúvida de que o Quarteto, juntamente com a Liga dos Estados Árabes, pode desempenhar um papel no descongelando o diálogo".

    Mais:

    Apesar de Trump, Palestina se esforça por relações com os EUA
    Netanyahu a Palestina: 'Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz'
    Ministro do Irã provoca Israel e nega que Teerã queira dominar o golfo Pérsico
    Netanyahu promete fazer tudo para impedir que Irã 'aperte corda ao pescoço' de Israel
    Tags:
    acordo de paz, diplomacia, Estado Palestino, palestinos, judeus, Conselho de Segurança da ONU, Nikki Haley, Mahmoud Abbas, Jerusalém, Estados Unidos, Israel, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar