14:29 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Artilharia turca dispara contra alvos curdos na área de Afrin, 9 de fevereiro de 2018

    Ancara: Ninguém impedirá Turquia se exército sírio entrar em Afrin para proteger curdos

    © AP Photo /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Conflito em Afrin (30)
    627

    O ministro das Relações Exteriores da Turquia comentou as recentes comunicações da mídia estatal síria que as forças pró-governamentais sírias vão entrar em Afrin em "poucas horas".

    "Nós iniciamos a operação em Afrin para nos livrarmos da ameaça à nossa segurança. Nós ainda insistimos nisso. Agora a questão é – as forças do regime [do presidente sírio Bashar Assad] vão entrar em Afrin ou não? Caso elas entrem, qual será seu propósito?", perguntou o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, durante uma emissão do canal turco NTV.

    "Caso elas entrem para eliminar as Unidades de Proteção Popular (YPG), não tem problema. Caso eles apoiem os terroristas, ninguém vai nos impedir. Isso é válido para Afrin, Manbij e o leste do Eufrates", afirmou.

    A afirmação foi feita depois de, mais cedo no mesmo dia, um alto funcionário curdo, Badran Jia Kurd, ter declarado à agência Reuters que as forças curdas sírias e o governo do país concordaram em instalar tropas do exército sírio ao longo das posições fronteiriças na área de Afrin a fim de conter a operação turca e que os militares entrariam na cidade cercada de Afrin nos próximos dois dias.

    Contudo, essa informação foi desmentida pelo representante das YPG em Afrin, Brusk Haseke, que em entrevista à Sputnik a qualificou como notícia falsa, frisando que as forças governamentais sírias não vão entrar em Afrin.

    De acordo com o que ele explicou, devido às informações falsas, os civis em Afrin e em Aleppo estão erroneamente acreditando que o exército sírio entrou na cidade, mas se tratou apenas de ônibus civis.

    Haseke especificou que se o exército sírio entrar em Afrin, as YPG não vão esconder essa informação da opinião pública.

    Em 20 de janeiro, a Turquia iniciou em Afrin a operação militar Ramo de Oliveira, tendo como objetivo eliminar forças das YPG, alegadamente relacionadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, que Ancara considera como grupo terrorista. Damasco condenou firmemente a operação militar turca, qualificando-a como violação da soberania do país.

    Tema:
    Conflito em Afrin (30)

    Mais:

    Rússia está preocupada por EUA tentarem desintegrar Síria, afirma chanceler russo
    Teerã: Irã não possui bases militares na Síria
    Carro-bomba deixa 5 mortos e 7 feridoss na Síria
    Tags:
    tropas sírias, Operação Ramo de Oliveira, Unidades de Proteção Popular (YPG), Afrin, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik