19:37 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã

    Ministro do Irã provoca Israel e nega que Teerã queira dominar o Golfo Pérsico

    © REUTERS / Lucas Jackson
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13274

    Teerã não tem interesse em se tornar uma hegemonia "devorando" a região do Golfo Pérsico e, portanto, não representa ameaça para ninguém, disse o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, neste domingo.

    "Queremos uma região forte. Não queremos ser a hegemonia na região, pois acreditamos que a era da hegemonia há muito passou regionalmente e globalmente […] Existe um interesse [de alguns países] em mostrar que há um desastre na região, que o Irã está devorando toda a região, o que não é o caso. Não acreditamos nisso, não acreditamos que seja do nosso interesse, não acreditamos que seja possível", afirmou Zarif disse na 54ª Conferência de Segurança de Munique (MSC).

    Netanyahu discursa durante a Conferência de Segurança de Munique, em 18 de fevereiro de 2018
    © REUTERS / Lennart Preiss/MSC Munich Security Conference/Handout

    Zarif pediu uma região forte onde vários países, mesmo aqueles que foram rivais, coexistam e contribuam para a segurança, observando que as tendências hegemônicas por qualquer poder regional e global resultam em instabilidade. E tal situação não é "em favor de ninguém", continuou Zarif.

    "Não é viável. A hegemonia não é mais viável […] Então precisamos começar a falar em vez de criar a impressão de que existe uma crise", ressaltou o diplomata iraniano.

    Zarif fez suas declarações depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou durante o MSC no domingo que o Irã representa uma grande ameaça para todas as nações do mundo, incluindo países europeus e Estados Unidos, e acusou Teerã de desenvolver mísseis balísticos.

    As especulações sobre o suposto programa de armas nucleares iraniano aumentaram recentemente com vários políticos pedindo o desmantelamento do Plano Integrado de Ação Conjunta (JCPOA), comumente referido como acordo nuclear do Irã.

    Assinado em 2015, a JCPOA está vigente desde janeiro de 2016. O acordo entre a União Europeia, o Irã e os países P5 + 1 (China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos, além da Alemanha) estipula o levantamento gradual de as sanções econômicas e diplomáticas impostas ao Irã pelos países ocidentais em troca de Teerã encerrar seu programa nuclear.

    Em relação ao tema, Zarif prometeu que o Irã irá reagir, caso os interesses do país no acordo não seja respeitados. "Posso assegurar-lhe que, se os interesses do Irã não forem garantidos, o Irã responderá, responderá seriamente e acredito que seria uma resposta que as pessoas se arrependerão de tomar as ações erradas que fizeram", comentou.

    Em outubro de 2017, o presidente dos EUA, Donald Trump, que ameaçou repetidamente suspender o acordo nuclear do Irã, disse que sua administração decidiu não certificar que o Irã estava em conformidade com o acordo. A reivindicação causou objeções de Teerã.

    A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que monitora a implementação do acordo nuclear do Irã, confirmou repetidamente o cumprimento de Teerã pelos termos estabelecidos pelo acordo multilateral.

    Circo

    Zarif ainda ironizou uma manifestação de Netanyahu, que mostrou uma peça de um drone iraniano supostamente abatido na semana passada pelas forças israelenses, referindo-se a isso como um "circo animado".

    No início do dia, Netanyahu exibiu durante o seu discurso na conferência uma parte do drone iraniano e disse: "Sr. Zarif, você reconhece isso?", questionou o premiê israelense.

    "Vocês foram o público para um circo animado que nem sequer merece uma dignidade de resposta", disse Zarif. "Israel usa a agressão como uma política contra seus vizinhos", disse Zarif, citando as incursões aéreas regulares na Síria e no Líbano. "O discurso inteiro [de Netanyahu] estava tentando evadir o problema".

    O chanceler iraniano ainda relembrou que um avião israelense foi abatido e isso coloca em xeque a ideia de que Israel seja invencível.

    Na semana passada, o Exército israelense disse que interceptou um drone iraniano lançado da Síria. De acordo com o exército, a Força Aérea israelense (IAF) atingiu alvos iranianos na Síria, provocando incêndios dos sistemas de defesa aérea da Síria.

    Teerã chamou de "ridículas" as afirmações israelenses, ressaltando que suas forças estão operando na Síria a pedido do governo legítimo do país.

    Mais:

    Hezbollah ameaça ataques contra operações de petróleo e gás de Israel (VIDEO)
    Por que Israel não se atreve a usar caças de 5ª geração na Síria?
    Drone iraniano derrubado em Israel é cópia de veículo norte-americano (VÍDEO)
    Tags:
    guerra, diplomacia, ameaça, programa nuclear, acordo nuclear, JCPOA, Conferência de Segurança de Munique (MSC), Benjamin Netanyahu, Mohammed Javad Zarif, Oriente Médio, Golfo Pérsico, Síria, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar