23:03 22 Abril 2018
Ouvir Rádio
    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, discursa em uma reunião do seu partido em Amasya, Turquia, em 28 de janeiro de 2018

    EUA dizem ser 'improvável' o uso de armas químicas pela Turquia

    © AP Photo / Yasin Bulbul
    Oriente Médio e África
    URL curta
    314

    O governo dos EUA expressou ceticismo sobre relatórios que afirmam que a Turquia usou armas químicas na região do norte da Síria, Afrin, em sua operação ofensiva em curso, disse o oficial da Casa Branca, Michael Anton, à agência de notícias RIA Novosti.

    No sábado (17), a mídia síria informou que vários civis foram hospitalizados após um  ataque com gás suspeito no enclave de Afrin, no norte da Síria. O ataque teria ocorrido na vila curda de Aranda, onde as forças turcas usavam munições cheias de gás tóxico.

    "Estamos cientes dos relatórios, mas não podemos confirmá-los. No entanto, julgamos que é extremamente improvável que as forças turcas usem armas químicas. Continuamos a pedir a restrição e a proteção dos civis em Afrin", afirmou Anton no final do sábado (17).

    Operação militar turca na cidade de Afrin, na Síria, em 20 de janeiro de 2018
    © AP Photo / Lefteris Pitarakis
    No dia 20 de janeiro, a Turquia lançou a 'Operação Ramo de Oliveira' em Afrin, cidade controlada pelos curdos. Ancara disse que sua ofensiva tem como objetivo limpar a fronteira turca com a Síria da presença de terroristas. A Turquia considera que as Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e o Partido da União Democrática (PYD) estão ligados ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), listado como uma organização terrorista pela Turquia.

    Damasco expressou sua oposição à operação turca em Afrin, dizendo que tais ações violavam a soberania síria.

    Tags:
    Guerra da Síria, Partido da União Democrática (PYD), Unidades Populares de Proteção do Curdistão (YPG), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Michael Anton, Síria, Afrin, Aranda, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik