16:29 24 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan (Arquivo)

    Erdogan: 'OTAN não é igual aos EUA'

    © AFP 2018 / STR / TURKISH PRESIDENTIAL PRESS OFFICE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14324

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou Washington com uma "bofetada otomana" em resposta às palavras do tenente-general norte-americano Paul E. Funk, que durante sua visita na semana passada a Manbij, no norte da Síria, prometeu "responder agressivamente" caso a Turquia ataque a cidade controlada pelas milícias curdas.

    "Está claro que aqueles que dizem 'vamos responder agressivamente caso nos ataquem' nunca experimentaram uma bofetada otomana", afirmou o líder turco perante o Parlamento, citado pelo Hurriyet Daily News.

    A expressão se refere a um movimento de artes marciais turcas que consiste em dar um forte golpe com a palma da mão, que inclusive pode causar fraturas de crâneo e morte.

    Erdogan advertiu que a decisão dos EUA de continuar financiando as Unidades de Proteção Popular (YPG) "afetará as decisões turcas". O presidente disse que, segundo a informação obtida por Ancara, a ajuda financeira dos Estados Unidos para as YPG "poderia aumentar para US$3 bilhões".

    "Vamos destruir todos os terroristas que vejamos, começando por aqueles que estão do seu lado. Então entenderão que é melhor para eles não estarem do lado dos terroristas", advertiu o presidente.

    Além disso, Erdogan sublinhou que todos os membros da OTAN são iguais aos EUA.

    "Como presidente da Turquia, [eu afirmo] que a OTAN não é igual aos EUA, mas todos os países [da Aliança] são iguais aos EUA", declarou Erdogan citado pela agência Anadolu.

    O líder turco sublinhou que os Estados Unidos "devem responder a qualquer ataque contra seu aliado por uma organização terrorista", referindo-se às milícias das YPG, consideradas como grupo terrorista tanto pela Turquia como pelos EUA.

    O presidente turco também duvidou da luta dos EUA contra o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia), questionando "quantos membros do Daesh mataram?".

    Os comentários polêmicos de Erdogan ocorrem dias antes da visita à Turquia do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, prevista para 15 de fevereiro.

    Mais:

    Opinião: Moscou e Ancara alteram ordem mundial existente
    Chefe da OTAN afirma que Portugal já pode aumentar gastos com defesa
    Tags:
    tensão política, Unidades de Proteção Popular (YPG), OTAN, Recep Tayyip Erdogan, Síria, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik