08:18 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Voluntários iraquianos xiitas no campo militar na cidade de Basra, Iraque

    Xiitas iraquianos ameaçam atacar tropas dos EUA se não abandonarem país

    © AFP 2018 / HAIDAR MOHAMMED ALI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15372

    O primeiro-ministro do Iraque já possui plano para reduzir o número de tropas da coalizão internacional liderada pelos EUA em seu território, pois o país não tolerará a presença militar deste na região.

    Os xiitas iraquianos não tolerarão mais a presença dos militares estadunidenses em seu país, advertiu na segunda-feira (12) Qais al-Khazali, um dos líderes das Forças de Mobilização Popular, citado pelo canal de televisão Al-Arabiya.

    No início deste mês, o premiê do Iraque Haider al-Abadi, declarou que existe um plano para reduzir significativamente o número de tropas da coalizão internacional liderada pelos EUA no território iraquiano.

    "A batalha contra o Daesh [organização terrorista proibida em vários países, incluindo a Rússia] acabou, então o nível da presença estadunidense será reduzido", afirmou na semana passada à agência AP o porta-voz do governo, Saad al-Hadithi.

    Em 5 de fevereiro, os Estados Unidos começaram a retirada parcial de sua forças do Iraque depois da derrota dos terroristas do Daesh no país árabe.

    As Forças de Mobilização Popular (que reúnem dezenas de milícias xiitas), foram criadas em 2014 com objetivo de prestar apoio militar ao Irã e Iraque na luta contra a ameaça terrorista proveniente principalmente do Daesh.

    Mais:

    Erro de piloto norte-americano teria provocado 7 mortos no Iraque
    Coalizão dos EUA matou até 6.000 civis no Iraque e na Síria em 2017
    Sem data para sair: OTAN considera aumentar apoio às forças do Iraque, diz general
    Varrido do Iraque e da Síria, Daesh busca refúgio no 'califado virtual'
    Tags:
    presença militar, combate ao terrorismo, coalizão internacional, Daesh, Forças de Mobilização Popular (FMP), Qais al-Khazali, Haider al-Abadi, EUA, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik