00:16 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    George Soros testemunhando no Capitólio em Washington

    Netanyahu acusa Soros de financiar campanha contra expulsão de africanos de Israel

    © AP Photo / Kevin Wolf
    Oriente Médio e África
    URL curta
    682

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que o bilionário George Soros está financiando esforços para se opor ao plano do país para deportar milhares de imigrantes africanos - uma acusação que o filantropo nega.

    Netanyahu disse aos ministros do partido Likud no último domingo que Soros, que é conhecido por sua filantropia e contribuições políticas para causas "progressistas", está financiando uma campanha para minar o plano de Israel de deportar milhares de imigrantes africanos.

    "George Soros também está financiando os protestos. [O ex-presidente dos EUA Barack] Obama deportou dois milhões de infiltrados e eles não disseram nada", disse Netanyahu aos ministros, segundo o jornal israelense Haaretz.

    Um porta-voz do bilionário rebateu a afirmação de Netanyahu, dizendo ao jornal que, embora Soros não esteja financiando protestos no país, ele ainda acredita que, de acordo com a Convenção de Refugiados de 1951 e o direito internacional, é errado enviar solicitantes de asilo à força de volta a países onde eles podem ser perseguidos ou mortos".

    No ano passado, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, dirigiu uma campanha publicitária dirigida a Soros, acusando-o de usar "sua riqueza, poder, influência e uma rede de organizações não governamentais" para inundar a União Europeia e a Hungria com imigrantes.

    Na época, o Ministério de Relações Exteriores de Israel pediu o fim da campanha, citando "antissemitismo consciente".

    Israel começou a emitir ordens de deportação para imigrantes africanos, dando-lhes 60 dias para deixar o país ou enfrentar a prisão. Israel atualmente abriga aproximadamente 38 mil imigrantes africanos e requerentes de asilo, a maioria deles eritreanos e sudaneses.

    Desde 2007, cerca de 60 mil migrantes entraram no país através da fronteira do deserto com o Egito. Israel construiu uma cerca de 245 km na fronteira em 2013, na tentativa de conter o ingresso migratório.

    Soros, um judeu húngaro, não está sozinho em sua oposição à política israelense. No final de janeiro, mais de 800 rabinos e outros clérigos judeus nos EUA assinaram uma carta convidando Israel a reverter seu plano de expulsão de imigrantes africanos, argumentando que os requerentes de asilo estão "escapando de tortura, escravidão e guerra".

    Mais:

    Netanyahu: Israel jamais esquecerá o papel da URSS na luta contra o fascismo
    'Não se pode mudar a história', Netanyahu ataca lei polonesa sobre o Holocausto
    Soros reprova dependência que Facebook e Google causam nas pessoas
    George Soros prevê a quebra da União Europeia e uma Rússia de 'poder ressurgente'
    Tags:
    fluxo de refugiados, imigrantes, expulsão, deportação, Partido Likud, Viktor Orban, George Soros, Benjamin Netanyahu, África, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik