12:48 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    F-16 da Força Aérea da Turquia (foto de arquivo)

    Aviões turcos teriam atingido alvos no Iraque em meio à operação em Afrin

    © AFP 2018 / Jorge Guerrero
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Turquia lança ofensiva contra Afrin (65)
    9123

    Bagdá ainda não comentou as informações. Os ataques reportados aconteceram após o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ter afirmado que Ancara pretende "limpar a fronteira" até o Iraque.

    De acordo com a agência de notícias Reuters, os aviões turcos atingiram oito alvos no norte do Iraque, destruindo abrigos, esconderijos e armazéns pertencentes aos militares que estariam preparando ataques aos postos fronteiriços.

    Os ataques aéreos que ainda não foram comentados por parte de Bagdá e teriam tido lugar nas áreas de Zab, Avasin, Basyan e Hakurk.

    Por enquanto, não se sabe a que grupo pertenciam os combatentes atingidos. Contudo, os bombardeios ocorreram em meio à operação Ramo de Oliveira, lançada pela Turquia na cidade síria de Afrin contra as forças curdas em 20 de janeiro. A cidade é controlada pelas Forças Democráticas da Síria (FDS), apoiadas pelos militantes das Unidades de Proteção Popular (YPG).

    Anteriormente, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan afirmou que Ancara iria "limpar a fronteira de terroristas até o território do Iraque". Posteriormente, o ministro das Relações Exteriores do país, Mevlut Cavusoglu, reafirmou a postura de Ancara, frisando que a operação não se iria limitar apenas à região síria de Afrin. 

    A operação turca Ramo de Oliveira começou em 20 de janeiro, em meio às crescentes tensões entre Ancara e Washington. Os EUA iniciaram recentemente a formação de uma força de segurança na fronteira síria, a ser constituída inclusive por combatentes das FDS, ligadas às YPG, que Ancara considera um grupo terrorista.

    Tema:
    Turquia lança ofensiva contra Afrin (65)
    Tags:
    operação, Operação Ramo de Oliveira, Afrin, Turquia, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik