02:58 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2466
    Nos siga no

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, condenou firmemente neste sábado (27) a nova legislação polonesa que criminaliza as tentativas de impor culpa aos poloneses por crimes contra a humanidade durante a Segunda Guerra Mundial cometida pela Alemanha nazista, incluindo o assassinato em massa de Judeus.

    "A lei é sem fundamento, eu me oponho fortemente. Não se pode mudar a história e o Holocausto não pode ser negado. Instrui o embaixador de Israel na Polônia para conhecer o primeiro-ministro polonês esta noite e expressar minha forte posição contra a lei", disse Netanyahu. em uma declaração publicada no Twitter.

    ​Na sexta-feira (26), o parlamento polonês aprovou o projeto de lei proibindo qualquer menção de participação da "nação polonesa" em crimes cometidos pela Alemanha nazista durante o holocausto e, em particular, o uso de frases como "campos da concentração poloneses", onde milhões de pessoas, principalmente judeus, foram mortos pelos nazistas. 

    "Nenhuma lei pode mudar a verdade histórica e não há lugar para tentar educar as famílias dos sobreviventes do Holocausto que vivem todos os dias com as memórias de seus entes queridos que morreram no Holocausto. Israel se opõe à lei proposta e pede que o governo da Polônia altere a lei antes de prosseguir com legislação adicional", afirmou o primeiro-ministro israelense em um comunicado.

    O projeto de lei prescreve até três anos de prisão por tentativas de ligar o povo polonês com os crimes dos nazistas. A lei também proíbe a negação do assassinato de cerca de 100 mil poloneses pelo Exército Insurgente da Ucrânia (UPA) durante a Segunda Guerra Mundial.

    O termo Holocausto é usado para denotar ações empreendidas pela Alemanha nazista e seus aliados na perseguição e extermínio de até 6 milhões de judeus entre 1933 e 1945. Auschwitz, em particular, foi o maior campo de concentração e extermínio nazista alemão na Polônia, onde mais de 1,4 milhão de pessoas, incluindo 1,1 milhão de judeus, foram mortas entre 1941 e 1945.

    De acordo com estimativas do Instituto de Memória Nacional do Estado polonês, entre 5,6 milhões e 5,8 milhões de cidadãos poloneses, ou cerca de um quinto da população do país, foram mortos durante a ocupação nazista. Desse número, entre 2,7 e 2,9 milhões foram vítimas do Holocausto.

    Tags:
    Israel, Polônia, Benjamin Netanyahu, holocausto, nazismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar