20:21 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Líder palestino Yasser Arafat (morto em 2004)

    Derrubar avião e explodir estádios: israelense revela planos de Tel Aviv para matar Arafat

    © Foto / Rex Features
    Oriente Médio e África
    URL curta
    18110
    Nos siga no

    Os planos israelenses de assassinar o líder palestino Yasser Arafat (1929-2004) incluíram um que visava para explodir aviões de passageiros e estádios de futebol, de acordo com um novo e explosivo livro do jornalista investigativo israelense Ronen Bergman.

    As extensas revelações são publicadas em "Rise and Kill First: A história secreta dos assassinatos direcionados de Israel". O jornal estadunidense The New York Times publicou um extrato do livro na última terça-feira.

    Segundo Bergman, quando o ex-primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, era ministro da Defesa, ele ordenou que o Exército israelense abatesse um avião de passageiros no qual pensou-se que Arafat estaria.

    Arafat era presidente da Organização de Libertação da Palestina (OLP) na época. Embora o plano tenha sido eventualmente cancelado, ele estava em uma lista de sugestões para assassinar o líder palestino.

    Bergman falou com centenas de funcionários de inteligência e defesa e estudou documentos classificados que revelaram uma "história escondida, surpreendente mesmo no contexto da reputação já feroz de Israel".

    "Descobri que, desde a Segunda Guerra Mundial, Israel usou o assassinato e o alvo — matando mais do que qualquer outro país no Ocidente, em muitos casos ameaçando a vida de civis", escreveu Bergman em texto publicado pelo jornal dos EUA, apontando para a história do debate que leva em conta esses problemas.

    Tentativas de assassinato

    Em outra tentativa de assassinato em outubro de 1982, a agência de inteligência israelense Mossad teria se concentrado em um avião que transportava 30 crianças feridas, vítimas do massacre de Sabra e Shatila pela milícia Phalange, em um campo de refugiados palestinos no Líbano.

    De acordo com o livro, Tsomet, a unidade do Mossad que recruta ativos no exterior, ouviu que Arafat estaria em um avião que seguia de Atenas para o Cairo. Caesarea, a unidade do Mossad responsável por assassinatos direcionados, enviou dois agentes para aguardar no aeroporto de Atenas.Caças F-15 foram colocados em alerta.

    Porém, o Mossad finalmente percebeu que o homem não era Arafat, mas seu irmão — que estava levando crianças palestinas feridas para o Cairo para tratamento médico. Bergman primeiro ouviu falar desse plano de assassinato em 2011, mas sua fonte o fez prometer esperar até que uma segunda pessoa lhe apresentasse a história.

    Em outro caso detalhado no livro, aviões de combate cercaram um vôo comercial da Jordânia para a Tunísia, enquanto em outro incidente, eles interromperam as comunicações da Boeing 707, de acordo com informações do jornal israelense Haaretz.

    Operação Olympia

    Outro plano era matar toda a liderança da OLP da Palestina, preparando bombas dentro de um estádio de Beirute, onde o grupo planejava comemorar o aniversário de sua primeira operação contra Israel. 

    De acordo com o livro, os israelenses também montaram carros manipulados com explosivos fora do estádio, colocados para detonar minutos após a primeira explosão para atingir os sobreviventes, pois tentariam escapar.

    A operação foi cancelada no último minuto, depois que um grupo de oficiais e o ministro da Defesa exigiram que fosse cancelada.

    "Você não pode simplesmente matar todo um estádio", um oficial se lembrou de dizer ao então primeiro-ministro Menahem Begin. "O mundo inteiro estará atrás de nós".

    Peixe Salgado

    De acordo com o livro, em 1982, Sharon criou uma força-tarefa especial denominada Salt Fish (Peixe Salgado, em tradução livre) para assassinar Arafat. Ele nomeou o especialista em operações especiais, Meir Dagan, que mais tarde se tornou chefe do Mossad, e Rafi Eitan, que era então conselheiro do ministro da Defesa em questões de contra-terrorismo.

    O grupo até debatia matar jornalistas israelenses que iriam entrevistar Arafat no Líbano em 1982, com o consenso de que, sim, valia a pena realizar tal operação. No entanto, o Mossad perdeu o grupo no caminho para a reunião.

    "O sentimento era que era algo pessoal para Sharon", disse o comandante-chefe da Força Aérea, o Major-General David Ivry, a Bergman.

    Apesar dos melhores esforços israelenses, Arafat continuou evitando o seu assassinato.

    Uzi Dayan, o comandante da operação, disse a Bergman que Arafat foi salvo por duas coisas: "sua interminável boa sorte e eu". Ele explicou que ele estava preocupado com a morte de civis em um assassinato e entrou em confronto com Eitan sobre isso, que ficaria com raiva de oportunidades perdidas. Dayan até reteve informações de inteligência de Eitan para evitar vítimas civis.

    Mais:

    Acordo nuclear do Irã permite que Teerã fabrique 'centenas de bombas', diz Netanyahu
    Netanyahu a Palestina: 'Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz'
    Netanyahu chama refugiados palestinos de 'fictícios'
    Tags:
    violência, assassinato, atentado, OLP, Mossad, David Ivry, Rafi Eitan, Meir Dagan, Ariel Sharon, Ronen Bergman, Yasser Arafat, Líbano, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar