10:00 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados dos EUA usando símbolos bordados das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas no norte da Síria

    EUA: não fornecemos armas nem treinamento aos curdos em Afrin

    © @FuriousKurd
    Oriente Médio e África
    URL curta
    717

    Os Estados Unidos não fornecem treinamento ou armas aos curdos localizados na área de Afrin, disse o diretor do Estado-Maior Conjunto do Pentágono, general Kenneth F. McKenzie Jr., aos repórteres nesta quinta-feira.

    "Nós não treinamos nem fornecemos equipamentos para qualquer um dos curdos que estão na área de Afrin. Estamos focados nas operações no Vale do Eufrates, ao sul e ao leste", disse McKenzie.

    Quando perguntado sobre as armas fornecidas aos curdos sírios, McKenzie disse: "Observamos cuidadosamente as armas que lhes são fornecidas".

    "Nós garantimos que, na medida do possível, estas não caiam em mãos erradas, e continuamos as discussões com os turcos sobre essas questões", disse ele.

    Washington oferece, há anos, apoio aos combatentes curdos na Síria, no âmbito do combate ao terrorismo na região.

    Afrin é uma área controlada pelas milícias do Partido da União Democrática (PYD), as Unidades de Proteção Popular curdas (YPG), que Ancara considera afiliadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), designado como organização terrorista na Turquia e vários outros países.

    No dia 20 de janeiro, a Turquia iniciou uma operação militar, "Ramo de Oliveira", com objetivo de expulsar as tropas curdas da cidade síria.

    Mais:

    Funcionário sírio: operação em Afrin lança nova fase da guerra
    Erdogan assegura Putin: operação em Afrin respeita integridade territorial da Síria
    ONU: operação turca contra Afrin provoca morte de civis
    Tags:
    curdos sírios, treinamento, armas, Partido da União Democrática (PYD), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Unidades de Proteção Popular (YPG), Pentágono, Kenneth McKenzie, Turquia, Afrin, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik