23:46 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Benjamin Netanyahu discursa durante a Assembleia Geral da ONU em setembro de 2012

    Premiê de Israel: Irã pretende manter um exército de 100 mil xiitas na Síria

    © AP Photo/ Richard Drew
    Oriente Médio e África
    URL curta
    839

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que Irã pretende deslocar um exército de 100 mil "mercenários" xiitas para a Síria, no âmbito dos seus planos de "conquista e colonização" do país árabe.

    Durante uma reunião com embaixadores dos países-membros da OTAN, Netanyahu alertou que a realização desses planos pode reacender o conflito no país vizinho. O premiê reiterou que Israel não admitirá a presença militar iraniana nas proximidades de suas fronteiras.

    "No âmbito dos planos iranianos de conquista e de colonização da Síria, eles querem transportar 100 mil combatentes xiitas para lá, que estão sendo importados pelo Irã. Estrangeiros sob comando iraniano", explicou Netanyahu.

    "Se o Irã conseguir alcançar esse objetivo, trazer cem mil combatentes xiitas para a Síria, o conflito será reaceso", alertou o chefe de governo israelense.

    O político afirmou que a necessidade de combater os grupos armados xiitas abrirá caminho para o ressurgimento de um "filho do Daesh e neto da Al-Qaeda". 

    "Para onde isso tudo seguirá? Para a Europa. Para onde se dirigirá o fluxo de pessoas? Para a Europa. E quem nesse momento está combatendo isso? Nesse momento somente Israel", disse Netanyahu, ao convocar os diplomatas ocidentais a se unir no combate ao islamismo radical xiita, tanto quanto sunita.

    Mais:

    Imprensa: ataque israelense na Síria tinha como objetivo destruir uma base militar do Irã
    Irã promete revidar ataque de Israel à defesa aérea da Síria
    Israel não permitirá que Síria vire posto avançado do Irã
    Irã acusa EUA, Israel e Arábia Saudita de organizar manifestações no país
    EUA confirmam acordo com Israel contra o Irã
    Tags:
    xiitas, OTAN, Benjamin Netanyahu, Irã, Síria, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar