15:44 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Benjamin Netanyahu

    Expulsão x prisão: Israel anuncia plano para colocar africanos ilegais para fora do país

    © AP Photo / Gali Tibbon
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1346
    Nos siga no

    Os imigrantes africanos ilegais que ainda viverem em Israel até abril podem enfrentar uma prisão indefinida se não deixarem voluntariamente o país. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu prometeu expulsar os "infiltrados ilegais" remanescentes da África.

    "Nós expulsamos cerca de 20.000 e agora a missão é tirar o resto", disse Netanyahu na quarta-feira, em declarações públicas em uma reunião do gabinete que aprovou o esquema. Cerca de 60.000 africanos, principalmente da Eritreia e do Sudão, entraram em Israel antes do país erguer uma cerca ao longo da fronteira com o Egito em 2013.

    Desde maio de 2015, Israel ofereceu migrantes US$ 3.500 e um bilhete de avião gratuito para retornar para casa. No entanto, a partir de abril, qualquer um dos estimados 38.000 imigrantes africanos ilegais capturados ainda vivendo no país poderia enfrentar o encarceramento.

    Eles ainda terão a opção de deixar Israel voluntariamente após março, mas o pagamento do governo por isso será significativamente menor. Os migrantes também podem escolher se mudar para um "país terceiro".

    Cerca de 1.400 migrantes estão atualmente sendo mantidos em dois centros de detenção em Israel. De acordo com a nova legislação promulgada no mês passado, Israel fechará o centro de detenção de Holot. Os imigrantes que moram lá enfrentarão uma escolha: ser preso na prisão Saharonim ou deportado para Ruanda.

    Israel e Ruanda assinaram recentemente um acordo através do qual os requerentes de asilo podem ser enviados para lá, mesmo sem o seu consentimento, causando clamores entre os grupos de direitos humanos.

    Eritreia e Sudão foram assolados pela guerra e severas dificuldades econômicas. No entanto, Israel vê as pessoas desses países como migrantes econômicos e menos de 1% deles receberam o asilo formal.

    Comentando a nova política, Netanyahu disse que a presença de milhares de imigrantes africanos ilegais coloca problemas de segurança e segurança, particularmente em Tel Aviv.

    "Estamos cumprindo nossa promessa de restaurar a calma, um senso de segurança pessoal e lei e ordem para os moradores do sul de Tel Aviv e em muitos outros bairros", disse ele.

    Violação

    A professora Galia Sabar, presidente do Centro Acadêmico de Ruppin, presidente de estudos africanos na Universidade de Tel Aviv e estudiosa de imigração, disse à Agência Reuters que o programa de deslocalização de migrantes de Israel viola a Carta da ONU.

    "Os requerentes de asilo da Eritreia e do Sudão não podem ser devolvidos ao seu país de origem de acordo com a Carta da ONU", disse Sabar. "Mas Israel assume que, uma vez que ele é um africano negro, podemos enviá-lo para outro país africano. Mas como ele pode lidar lá? Ele não tem trabalho, ele não fala a língua, o Estado não oferece uma rede social, e ele não está em um ambiente familiar ou acolhedor".

    A barreira ao longo da fronteira de Israel com o Egito efetivamente cortou o fluxo de migrantes que atravessam o país do norte da África. Referindo-se ao seu "grande sucesso", Netanyahu expressou apoio em janeiro para o plano do presidente dos EUA, Donald Trump, de construir um muro ao longo da fronteira EUA-México, chamando-o de "ótima ideia".

    "O presidente Trump está certo. Eu construí um muro ao longo da fronteira sul de Israel. Parou toda a imigração ilegal. Grande sucesso. Grande ideia", escreveu Netanyahu em um tweet. Tel Aviv depois esclareceu que não tinha posição sobre as relações EUA-México.

    Israel também desviou os requerentes de asilo do Oriente Médio devastado pela guerra. Netanyahu disse anteriormente que Israel é um país muito pequeno e "falta [a] profundidade demográfica e amplitude geográfica" para levar refugiados da Síria. Ele disse que Israel deve "proteger suas fronteiras contra os imigrantes ilegais".

    No entanto, o primeiro-ministro israelense insistiu em que sua nação não era indiferente à "tragédia humana", observando que "conscientemente lidamos com mil pessoas feridas na luta na Síria, e nós os ajudamos a reconstruir suas vidas".

    Mais:

    Escavações em Israel provocam discussões bíblicas sobre 'governador' de Jerusalém
    Exército sírio transtorna planos de Israel na fronteira comum
    Panamá nega planos para mover a embaixada de Israel para Jerusalém
    Tags:
    migração, expulsão, direitos humanos, ONU, Galia Sabar, Benjamin Netanyahu, Sudão, Eritreia, Egito, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar