19:19 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Polícia de Israel conduz um manifestante muçulmano durante confrontos em Jerusalém, em 21 de julho de 2017

    Jovens de Israel acusam exército de racismo contra palestinos e recusam serviço militar

    © REUTERS / Ammar Awad
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13253
    Nos siga no

    63 israelenses em idade militar escreveram uma carta aberta às autoridades expressando sua negativa em servir no exército e afirmando que Israel pratica uma política "racista" contra a Palestina.

    A carta é dirigida ao primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, ao ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, ao ministro da Educação, Naftali Bennett, e ao chefe do Estado Maior das Forças Armadas, Gadi Eizenkot.

    "O exército personifica a política racista do governo que viola os direitos humanos básicos e aplica uma lei aos israelenses e outra aos palestinos no mesmo território. Portanto, decidimos não participar da apreensão e da supressão do povo palestino", afirma a missiva publicada pelo jornal Yedioth Ahronoth.

    O texto também acusa o Governo de praticar uma "política de incitamento a nível institucional" dirigida contra palestinos de ambos os lados da Linha Verde — as fronteiras entre Israel e Palestina que são reconhecidas pela comunidade internacional e são prévias à Guerra dos Seis Dias de 1967, quando Israel tomou partes do território palestino.

    "Nós nos recusamos a servir no exército porque estamos comprometidos com os valores da paz e sabemos que há outra realidade que podemos criar juntos. Solicitamos aos nossos colegas que perguntem se o serviço no exército realmente possibilita construir essa realidade", diz a carta.

    Não é a primeira vez que um grupo de jovens recusa o serviço militar. 80 pessoas recusaram-se a integrar o exército em 2009 em protesto contra a política do governo israelense em relação à Faixa de Gaza e à Cisjordânia.

    Em Israel, o serviço militar é obrigatório para quem completa 18 anos. Os homens devem servir por três anos e as mulheres, dois anos.

    Mais:

    Exército e forças apoiadas pelo Irã avançam sobre rebeldes na fronteira com Israel
    Após EUA e Guatemala, Israel diz que 10 países podem levar embaixadas para Jerusalém
    Resposta ao bitcoin: Israel planeja criar sua própria criptomoeda
    Israel inicia exercícios militares entre Faixa de Gaza e Jordânia
    Israel segue os passos dos EUA e abandona a UNESCO após 'ataques'
    Israel diz que mais países 'consideram seriamente' levar embaixadas para Jerusalém
    Mais dois palestinos são mortos por Israel em protestos contra decisão de Trump
    Assembleia Geral da ONU rejeita o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel
    Tags:
    Naftali Bennett, Avigdor Lieberman, Benjamin Netanyahu, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar