01:22 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes põem fogo em uma réplica da bandeira dos EUA durante ato de protesto em Cabul, Afeganistão, em 8 de dezembro de 2017

    Analista: situação em torno de Jerusalém está 'esquentando'

    © Sputnik / J. Kargyar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (89)
    592
    Nos siga no

    A Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) apelou para que Jerusalém Oriental seja reconhecida como a capital da Palestina. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista Dmitry Mariyasis falou sobre prováveis consequências dessa decisão.

    A Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) afirmou que após a decisão da Casa Branca sobre a transferência da embaixada norte-americana para Jerusalém, Washington perdeu seu estatuto de mediador, em relação ao regulamento do conflito no Oriente Médio. Foi isso que estipulou a resolução aprovada durante a cúpula da OCI, realizada em Istambul.

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou sobre a convocação de uma cúpula de emergência da organização na semana passada, após a decisão do líder estadunidense, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir para lá sua embaixada de Tel Aviv.

    O especialista em assuntos do Oriente Médio, Dmitry Mariasys, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik opinou que a evolução posterior vai depender dos planos dos EUA.

    "Tudo vai depender dos próximos passos da administração de Trump. Quanto ao reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, Trump o qualificou como o início de uma nova abordagem. Em minha interpretação, a administração agendou outros passos, algum tipo de programa. Por enquanto ele não foi anunciado, contudo, se ele existe de verdade, a situação vai 'esquentando'. Caso o programa seja igual a este primeiro passo que estamos discutindo já há uma semana, é certo que a situação não vai melhorar. Porém, se tudo permanecer como está agora (há uma declaração, mas não está claro, quando a embaixada será transferida, já que por enquanto ainda não receberam ordens de se preparar para a mudança), ou seja, trata-se de declarações vazias, então é apenas uma tempestade em um copo de água […] Em seguida, tudo gradualmente vai se acalmar", acredita Dmitry Mariasys.

    De acordo com ele, Moscou possui neste conflito a postura mais adequada.

    "Em abril, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que em meio ao processo de paz, a Rússia está disposta a reconhecer Jerusalém Oriental como a capital do futuro estado árabe e considerar Jerusalém Ocidental como a capital de Israel. Mas o fará no contexto de resolução pacífica. Esta é uma abordagem equilibrada", frisou Dmitry Mariasys.

    Em 1949, Israel declarou Jerusalém como sua capital. Por sua vez, a Palestina designa a parte oriental da cidade como sua capital, que em 1967, Israel arrancou da Jordânia e anexou.

    A comunidade internacional não reconhece esta anexação e acredita que a disputa deva ser resolvida por meio de negociações entre os palestinos e israelenses.

    Em 1995, o Congresso dos EUA decidiu reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. Contudo, todos os presidentes norte-americanos, inclusive Trump, regularmente adiaram a assinatura dos documentos aprovando a transferência de sua embaixada. 

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (89)

    Mais:

    Erdogan propõe reconhecimento de Jerusalém como capital da Palestina
    Hamas anuncia o início da terceira 'Intifada' contra a decisão dos EUA sobre Jerusalém
    Reunião dos países árabes: é possível castigar EUA por causa de Jerusalém?
    Tags:
    conflito, Donald Trump, Jerusalém, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar