19:49 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes com bandeiras turcas e palestinas protestando contra o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, em Istanbul, Turquia, 10 de dezembro de 2017

    Erdogan chama Israel de 'Estado terrorista' que 'mata crianças'

    © REUTERS / Osman Orsal
    Oriente Médio e África
    URL curta
    181311
    Nos siga no

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, criticou Israel, chamando o país de "Estado terrorista". O líder turco também prometeu usar "todos os meios" para lutar contra o reconhecimento de Jerusalém como capital israelense por parte do presidente dos EUA, Donald Trump, segundo informa o RT.

    "A Palestina é uma vítima inocente […] e Israel é um Estado terrorista […] Não deixaremos Jerusalém à mercê de um Estado que mata crianças", disse Erdogan em uma reunião no domingo (10) do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), governista, realizada na cidade turca de Sivas.

    O líder turco afirmou que Israel é um "Estado opressor" e qualificou de "desproporcionada" a resposta da polícia e das Forças Armadas israelenses aos protestos em Jerusalém e Cisjordânia, que já causaram várias mortes e mais de mil feridos. No sábado (9), as forças de segurança israelenses utilizaram gás lacrimogêneo, balas de borracha e canhões de água contra os manifestantes.

    "Os EUA ignoraram a resolução do Conselho de Segurança da ONU de 1980 em relação a Jerusalém que os próprios EUA assinaram […] Um sistema em que se considera que o mais forte tem razão não pode criar justiça, paz e estabilidade", afirmou Erdogan, citado pelo RT, acrescentando que a posição dos EUA poderá provocar mais tragédias.

    Em resposta às afirmações de Erdogan, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, assegurou que não está "acostumado a receber lições de moralidade de um líder que bombardeia povoações curdas na Turquia e prende jornalistas".

    O reconhecimento de Jerusalém por parte dos EUA causou uma onda de protestos e indignação, tendo sido condenado não apenas por países que se opõem à política exterior norte-americana, mas também por aliados tradicionais de Washington no Oriente Médio e por muitos outros países. A Liga Árabe e o Conselho de Segurança da ONU também condenaram a decisão.

    Mais:

    Reunião dos países árabes: é possível castigar EUA por causa de Jerusalém?
    Após reconhecer Jerusalém, Casa Branca diz que palestinos 'se esquivam' das negociações
    Vaticano chama Jerusalém de 'cidade sagrada de cristãos, judeus e muçulmanos' e pede paz
    Tags:
    conflito regional, indignação, críticas, Donald Trump, Recep Tayyip Erdogan, Benjamin Netanyahu, Palestina, Turquia, Jerusalém, Israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar