01:35 27 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Manifestantes palestinos se escondem durantes confrontos com tropas israelenses perto de povoados judeus

    Palestina não vai negociar com EUA até cancelamento da decisão de Trump sobre Jerusalém

    © REUTERS/ Mohamad Torokman
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (85)
    2123

    A decisão radical de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital israelense provocou forte condenação por parte da Palestina, e o seu líder, Mahmoud Abbas, avisou sobre graves consequências no processo de paz na região.

    O embaixador palestino na Rússia, Abdel Hafiz Nofal, declarou nesta sexta-feira (8) que a Palestina não pode aceitar que os EUA atuem como mediadores nas negociações sobre a solução do conflito entre Israel e seu país, acrescentando que Palestina está buscando novos intermediários.

    "Para mim, como palestino que representa Mahmoud Abbas na Rússia, os EUA não podem mais ser considerados intermediários, estamos à procura de outros", declarou Abdel Hafiz Nofal.

    "Do nosso ponto de vista, Estados Unidos perderam valor como intermediários", continuou.

    Anteriormente, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou o reconhecimento de Jerusalém como capital israelense, bem como a transferência da embaixada norte-americana de Tel Aviv para a cidade sagrada.

    Ao responder à pergunta se Palestina vai se opor à participação norte-americana no novo formato teórico, o embaixador disse: "Com certeza". "A única condição trata-se do cancelamento da decisão sobre Jerusalém", frisou.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (85)

    Mais:

    Escola francesa no Líbano é obrigada a se desculpar por colocar Israel no mapa
    Influência de evangélicos teria sido crucial para decisão de Trump sobre Jerusalém
    Al-Qaeda prega apoio aos palestinos contra 'desafio ao mundo muçulmano' imposto pelos EUA
    Tags:
    negociações de paz, capital, reconhecimento, Donald Trump, Mahmoud Abbas, Jerusalém
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik