02:37 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, discursa durante conferência diplomática com o mapa no fundo, 6 de dezembro de 2017

    Escola francesa no Líbano é obrigada a se desculpar por colocar Israel no mapa

    © AFP 2017/ MENAHEM KAHANA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (53)
    883

    Uma escola privada em Beirute provocou controvérsia depois de ter publicado em um dos mapas da região ao sul do Líbano como israelense, ao invés de palestina. Segundo a lei libanesa, a própria existência de Israel é proibida de ser reconhecida.

    Pela primeira vez, a transgressão surgiu no Facebook, quando o pai de uma menina de nove anos publicou a imagem do mapa mostrando Israel: "eis o que a minha filha do quarto ano aprendeu na escola hoje".

    A escola foi obrigada a pedir desculpas, dizendo que respeita totalmente a soberania e história do Líbano e sublinhou seu cumprimento do programa oficial. O Líbano e Israel continuam tecnicamente em estado de guerra, e a lei libanesa não permite reconhecer Israel de maneira alguma, até mesmo nos mapas.

    Marwan Hamadeh, ministro libanês da Educação, prometeu considerar o assunto, de acordo com o jornal Asharq al-Awsat. O membro do parlamento, Wael Abu, pediu a Hamadeh para avaliar a direção da escola e tomar as medidas necessárias caso seja descoberto que a instituição viola as identidades políticas e culturais do Líbano e da Palestina.

    Tensões regionais com Israel foram intensificadas especialmente nos últimos dias, em meio à assinatura pelo presidente norte-americano, Donald Trump, da declaração sobre a transferência da embaixada norte-americana de Tel Aviv a Jerusalém, oficialmente reconhecendo a cidade sagrada como capital israelense. Especialistas internacionais avisaram que a decisão de Trump pode causar mais distúrbios no Oriente Médio.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (53)

    Mais:

    Influência de evangélicos teria sido crucial para decisão de Trump sobre Jerusalém
    'Jerusalém é como uma esposa, não pode ser dividida'
    Analista: presidente dos EUA 'traiu' seus aliados árabes
    Tags:
    pedido de desculpas, educação, escola, protestos, conflito, Donald Trump, Jerusalém
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik