12:05 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Tropas dos EUA e do Afeganistão na cidade de Yawez

    Tropas dos EUA podem ser atacadas após decisão sobre Jerusalém, diz milícia iraquiana

    © flickr.com/ DVIDSHUB
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (44)
    9154

    A decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel pode se tornar uma "razão legítima" para atacar as tropas estadunidenses no Iraque, disse o grupo paramilitar xiita Hakolat Hezbollah al Nujaba.

    "A decisão estúpida de Trump será a grande faísca para remover essa entidade [Israel] do corpo da nação islâmica e uma razão legítima para atacar as forças americanas", disse Akram al-Kaabi, líder da organização iraquiana, citado pela Agência Reuters.

    Os EUA, que lidera uma operação em larga escala contra o Daesh no Iraque, tem cerca de 5.200 soldados no país, de acordo com a última declaração do Departamento de Defesa norte-americano.

    Composta na sua maioria por iraquianos, a organização Hakolat Hezbollah al Nujaba tem cerca de 10.000 militantes, de acordo com dados da Reuters. Fazendo parte das Forças de Mobilização Popular apoiadas pelo Irã (PMF), o grupo é considerado uma das milícias mais importantes do Iraque.

    Em novembro, o congressista republicano Ted Poe, da Câmara dos Deputados dos EUA, propôs a imposição de "sanções relacionadas ao terrorismo" contra a milícia iraquiana. O texto do documento diz que o Hakolat Hezbollah al Nujaba é "uma facção afiliada" da organização terrorista estrangeira designada pelos EUA Kata'ib Hezbollah, que também luta com o PMF.

    O líder do Hakolat Hezbollah al Nujaba, Akram al-Kaabi, foi designado anteriormente pelo Departamento do Tesouro "por ameaçar a paz e a estabilidade do Iraque". O projeto diz que Kaabi participou de "ataques de mísseis e coxos múltiplos" na Zona Verde em Bagdá, em 2008.

    Na quarta-feira, Donald Trump anunciou oficialmente sua decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, para onde planeja mudar a embaixada dos EUA. O presidente admitiu que a decisão causaria dissidência, mas diz que poderia ajudar a resolver o conflito árabe-israelense.

    Várias potências mundiais, incluindo a Alemanha, a Turquia e a Rússia, expressaram uma grande preocupação com a decisão do governo Trump.

    Na quinta-feira, o governo iraquiano exigiu que os EUA anulassem sua decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

    "Nós advertimos contra as perigosas repercussões desta decisão sobre a estabilidade da região e do mundo", diz uma declaração do governo. "O governo dos EUA deve voltar atrás nesta decisão para impedir qualquer escalada perigosa que alimente o extremismo e crie condições favoráveis ao terrorismo".

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (44)

    Mais:

    Político iraniano: Jerusalém nunca se tornará capital de Israel
    Opinião: reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel causaria problemas para EUA
    Israel envia mais tropas à Cisjordânia após reconhecimento de Jerusalém como capital
    Tags:
    violência, guerra, diplomacia, milícia, terrorismo, Mobilização Popular apoiadas pelo Irã (PMF), Kata'ib Hezbollah, Daesh, Hakolat Hezbollah al Nujaba, Donald Trump, Akram al-Kaabi, Ted Poe, Jerusalém, Israel, Estados Unidos, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik