08:18 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Embaixada dos EUA em Tel Aviv (foto de arquivo)

    EUA proíbem equipe de viajar por Jerusalém devido a protestos pela mudança de embaixada

    © REUTERS / Baz Ratner
    Oriente Médio e África
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (89)
    1 0 0

    Estados Unidos planejam evitar que seus funcionários governamentais viajem por Jerusalém oriental em meio à possível erupção de protestos contra a decisão do presidente Donald Trump de mudar a embaixada norte-americana para essa cidade, advertiu o Consulado Geral em uma mensagem de segurança.

    "Em meio à possibilidade de manifestações a partir de 6 de dezembro em Jerusalém e na Cisjordânia, funcionários governamentais dos EUA e seus familiares não têm permissão até novo aviso de viajar pela Cidade Velha de Jerusalém e Cisjordânia, incluindo Belém e Jericó", diz-se na advertência.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, discursará em 6 de dezembro sobre a mudança ou não da sede da embaixada norte-americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, declarou em 5 de dezembro a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

    "Surgiram muitas perguntas em relação à decisão do presidente sobre Jerusalém", disse Sanders, adicionando que Trump anunciará em breve a decisão quanto ao assunto.

    "O presidente está muito seguro em seu raciocínio", declarou Sanders.

    Na terça-feira (5), Donald Trump falou por telefone com líderes de países do Oriente Médio – Israel, Palestina, Jordânia, Egito e Arábia Saudita – sobre a possibilidade de transferência da embaixada.

    A Palestina, tal como outros países da região, já avisou que o reconhecimento de Jerusalém exacerbará o conflito árabe-israelense e desestabilizará a situação no Oriente Médio.

    Em 1995, o Senado dos EUA aprovou a resolução sobre a transferência da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém até 31 de maio de 1999. Mas, como o tema é sensível para países árabes, todos os presidentes norte-americanos desde a aprovação da resolução vêm adiando sua execução.

    Israel considera Jerusalém como capital "única e indivisível" com suas zonas orientais e o centro histórico que foram reconquistados meio século atrás da Jordânia. A anexação não é reconhecida pela comunidade internacional.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (89)

    Mais:

    Israel está construindo drone inédito semelhante ao Global Hawk americano
    Hamas ameaça EUA com nova intifada caso Trump transfira embaixada para Jerusalém
    EUA planejam reconhecer Jerusalém como 'capital indivisível' de Israel
    Tags:
    embaixada, conflito, funcionalismo público, viagem, Donald Trump, Jerusalem, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik