15:38 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã

    'Obrigado, Trump': hostilidade dos EUA ajuda o Irã a ter mais apoio mundial

    © REUTERS / Lucas Jackson
    Oriente Médio e África
    URL curta
    651

    Em uma conferência de imprensa na Itália, o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, criticou o presidente dos EUA, Donald Trump, por renegar o acordo nuclear com o Irã, bem como sobre a política estadunidense para o Oriente Médio em geral.

    "Temos problemas com as políticas que vêm de Washington e acredito que essas políticas são extremamente perigosas, impulsivas e não fundamentadas na realidade", disse Zarif a repórteres em Roma, citando as tentativas da administração Trump de reescrever o Plano Integrado Conjunto de Ação (JCPOA) que trata do programa nuclear do Irã, bem como a crise diplomática do Golfo.

    "Geralmente, uma revisão, ou uma reorientação, ou um ajuste cognitivo em nossa região é altamente necessária em Washington", continuou.

    Em outubro, Trump anunciou que decertificaria o acordo nuclear do Irã, chamando-o de "uma das piores e mais unilaterais das transações que os EUA já entraram", e aplicou sanções contra a Guarda Revolucionária do Irã, embora ele não conseguiu se retirar do acordo nuclear.

    Mas, segundo Zarif, uma administração republicana anterior sob o presidente George W. Bush tentou forçar Teerã a encerrar o seu programa de enriquecimento nuclear e falhou porque os EUA se recusaram a comprometer-se.

    "As relações internacionais tratam de encontrar um equilíbrio entre dar e receber", disse o ministro iraniano.

    "Se as pessoas tentam alcançar uma opção de soma zero, elas acabarão perdendo. Não é que um dos lados vencerá, o outro lado perderá. Isso é o que é o JCPOA, é um equilíbrio. Não é o que queremos, não é o que os americanos querem, não é o que os europeus querem, mas é o que conseguimos, e acho que, quanto mais cedo a administração americana em Washington perceber isso, mais cedo podemos superar isso", afirmou.

    Zarif acrescentou que a renúncia dos americanos às promessas no acordo nuclear faz com que eles sejam vistos como menos confiáveis. No entanto, apesar da rivalidade e divisão com a linha dura em seu próprio país, a pressão renovada e as sanções dos EUA realmente ajudaram a unir os iranianos.

    "A pressão dos Estados Unidos, de fato, criou mais solidariedade no Irã. Atualmente, estou sendo atacado muito menos no Irã do que antes de eleger o Trump. Então, agradeço a ele por isso", comentou.

    Em contrapartida, os outros signatários do acordo JCPOA, incluindo a Rússia e a União Europeia, concordaram com o acordo, argumentando que o Irã cumpriu as obrigações que lhe incumbem por força do acordo.

    No final da conferência, um dos outros presente ao encontro perguntou a Zarif o que seria necessário para que Trump e o presidente iraniano Hassan Rouhani se sentassem para uma reunião.

    "Você precisa mostrar respeito antes de pedir uma reunião", respondeu o ministro de Relações Exteriores. "Reuniões, relações internacionais, devem basear-se em pé de igualdade e respeito mútuo. E uma vez que qualquer administração dos EUA está pronta para exercer isso, então será uma situação diferente", finalizou.

    Mais:

    Israel poderia precisar do Daesh para conter Irã
    Premiê do Líbano manda recado duro ao Hezbollah e, nas entrelinhas, ao Irã
    Irã aumentará alcance de seus mísseis caso 'Europa se torne uma ameaça'
    Tags:
    JCPOA, acordo nuclear, relações bilaterais, diplomacia, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Donald Trump, Mohammed Javad Zarif, Golfo Pérsico, Teerã, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik