14:38 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    404
    Nos siga no

    Enquanto alguns preferem colocar os extremistas na prisão, a Arábia Saudita, em vez disso, oferece um centro de reabilitação com piscina e terapia psicológica para combater as ideologias extremistas.

    O diretor do Centro de Aconselhamento e Assistência Mohammed bin Nayef de cinco estrelas e dirigido por psicólogos, Yahya Abu Maghayed, diz que o foco principal da instituição é corrigir a mente dos criminosos, seus equívocos e desvios do Islã. "Fazemos os 'beneficiários' se sentir que são pessoas normais e que ainda têm chance de se reintegrar na sociedade".

    De acordo com Maghayed, parte do tratamento é evitar a palavra "prisioneiro" por causa do impacto negativo e usar, em vez disso, a palavra "residente".

    Mais do que levar os residentes a se sentirem obrigados a fazer algo, os responsáveis preferem reforçar os laços familiares, uma tática psicológica que funciona para tornar mais difícil para os infratores retornar aos seus hábitos antigos.

    "Você não pode combater o terrorismo pela força", diz o psicólogo do centro, Ali al-Afnan, à agência AFP, adicionando que "somente as ideias podem combater as ideias".

    Estabelecido em 2004, o centro de reabilitação declara ter curado mais de 3.300 homens acusados dos crimes ligados ao terrorismo. Os responsáveis registraram "um sucesso de 86%", disse Maghayed. Os restantes 14%, adicionou, somente demonstraram um "comportamento desviante", enquanto alguns voltaram aos grupos militantes.

    Os residentes que se recusam a mudar o estilo de vida depois de passarem três meses na instituição voltam a ser alvo de processo judiciário.

    Contudo, nem todos concordam com as estatísticas do centro. Para John Hogan, psicólogo, os 14% não são um número preciso, e de fato a percentagem real é muito mais alta.

    "É louvável que os sauditas tentem fazer algo diferente – eles são uns dos primeiros a tentar 'curar' os terroristas", disse Hogan à AFP. "[Mas] sem mais transparência sobre estas práticas é impossível saber que valor traz esse programa, se realmente traz algum, para a redução da ameaça de reenvolvimento nas atividades terroristas."

    É bastante irónico que, enquanto os extremistas ficam em acomodações luxuosas, sete pessoas foram executadas na terça-feira (28) acusados de assassinato, roubo e tráfico de drogas. No total, o reino executou 137 pessoas desde 2017 até agora.

    Mais:

    Torturadores da ditadura pegam prisão perpétua no julgamento mais longo da Argentina
    Príncipe saudita confessa corrupção, paga US$ 1 bilhão e deixa prisão
    Uma das mulheres mais sexys do mundo agride seu marido, causando avalanche de tweets
    Tags:
    reabilitação, atividades militares, extremismo, assassinato, prisioneiros, prisão, execução, terrorismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar