18:01 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes curdos correm pelas ruas de Raqqa, Síria (foto de arquivo)

    EUA seguem fornecendo caminhões cheios de armas a curdos, apesar da promessa de Trump

    © REUTERS/ Goran Tomasevic
    Oriente Médio e África
    URL curta
    329

    O presidente norte-americano, Donald Trump, prometeu ao seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, que não forneceria mais armas norte-americanas às forças de autodefesa curdas.

    Sobre isso comunicou o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, como resultado da conversa telefônica entre os dois líderes. Por sua vez, o representante oficial do Pentágono, Eric Pahon, declarou que os Estados Unidos somente "avaliam ajustes no fornecimento de armas" das unidades curdas na Síria.

    Abdulaziz Yunus, responsável pelas relações externas das Forças Democráticas da Síria, em entrevista à Sputnik Turquia comentou a situação quanto ao fornecimento de armas aos curdos: "Os EUA e as forças da coalizão continuam nos ajudando. Informações que os EUA deixaram de fornecer armas são incorretas e não correspondem à realidade. Na véspera, os Estados Unidos nos enviaram centenas de caminhões repletos de armas. Eles foram levados de Qamishli a Deir ez-Zor, ou seja, às regiões onde efetuamos operação contra o Daesh."

    "No momento atual, Estados Unidos não deram declaração alguma quanto à suspensão do fornecimento de armas. Pelo contrário, eles dizem que procuram estreitar cooperação conosco e aumentar assistência às Forças Democráticas da Síria. Essa é sua estratégia atual. Nós, por nossa vez, esperamos que o apoio continue", concluiu ele.

    Mais:

    Ocidente está tomado pelo neonazismo e quer dividir o mundo islâmico, diz Erdogan
    Forças Democráticas da Síria recebem 120 blindados e armas pesadas dos EUA
    Iraque está perto de vitória final sobre o Daesh, afirma primeiro-ministro
    Tags:
    assistência, cooperação, armas, fornecimento, Forças Democráticas da Síria, Recep Tayyip Erdogan, Donald Trump, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik