16:54 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Em 1995, o Supremo Tribunal de Israel alterou a Lei do Serviço Militar, que permitiu que as mulheres servam nas formações militares, bem como estudem nas escolas de cadetes da aviação e se tornem comandantes da Marinha.

    Israel cria a sua 1ª unidade feminina de tanques (FOTOS)

    © REUTERS/ Amir Cohen
    Oriente Médio e África
    URL curta
    383

    A Força de Defesa israelense (IDF) criou sua primeira unidade blindada feminina em outro movimento para a igualdade de gênero nas Forças Armadas.

    Um total de 15 recrutas iniciaram treinamento de combate básico em março, embora duas tenham se retirado durante a primeira semana. Uma vez que o treinamento básico foi concluído, as recrutas foram transferidas para a base de treinamento de tanques da IDF em Shizafon, no sul de Israel, para completar o curso de treinamento de oito meses.

    Elas foram divididas em esquadrões, cada um liderado por um comandante de tanque masculino e conduzido seu treinamento especializado no tanque Merkava Mark III.

    As 13 soldadas serão divididas em três esquadrões de tanques e serão incorporadas na Divisão do Território do Sul da IDF ao longo do próximo mês. O teste determinará se a IDF expande as funções femininas nos militares e continua a direcionar mulheres para as divisões blindadas.

    As unidades de tanques femininas funcionarão em uma capacidade limitada, no entanto, operando exclusivamente na fronteira sul de Israel. Elas ainda não serão enviadas ao campo de batalha, apenas permanecendo nas fronteiras com países com quem Israel tem boas relações diplomáticas.

    No caso improvável de que elas fossem obrigadas a retornar ao fogo, os compromissos seriam de posições estacionárias e não envolvendo as manobras blindadas de campo de batalha realizadas de acordo com as outras brigadas de tanques de Israel.

    As mulheres compreendem cerca de 34% das tropas do Exército de Israel, são recrutadas como homens, mas apenas servem 24 meses em oposição aos 32 meses de serviço exigidos aos homens, informa o jornal Jerusalem Post.

    As soldadas israelenses lutaram durante a Guerra da Independência, mas foram impedidas de um combate ativo pouco tempo depois.

    Após uma batalha do Supremo Tribunal na década de 1990, Israel aprovou uma emenda de igualdade à Lei de Serviços de Defesa que afirmava que as mulheres deveriam ter direitos iguais aos homens na IDF, em um movimento que levou à criação do Batalhão Caracal.

    A unidade dos Leões da Jordânia foi inaugurada no ano passado e, até agora em 2017, quase 2.000 mulheres se alistaram em unidades de combate.

    A IDF enfatizou que, independentemente do resultado do julgamento, nenhuma unidade de tanques feminino será estacionada no Líbano ou em Gaza e as unidades de combate blindadas permanecerão segregadas.

    "Não há nenhuma razão no mundo para colocar as mulheres no papel de lutadoras de tanques, para atacar as trincheiras com uma ‘faca entre os dentes’, sem nenhum motivo. Há homens suficientes que irão fazer o trabalho", disse o brigadeiro-geral aposentado Avigdor Kahalani, citado pela Ynet News.

    Mais:

    General iraniano: 'Qualquer nova guerra terminará com aniquilação de Israel'
    Profecias de Nostradamus para 2018: uma guerra mundial e destruição de Israel
    O maior medo de Israel: uma corrida armamentista desencadeada pelos EUA
    Tags:
    mulheres, força militar, tanques, Merkava Mark III, IDF, Avigdor Kahalani, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik