11:15 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Жители Дамаска держат портреты сирийского президента Башара Асада во время встречи военнослужащих Сирийской арабской армии, участвовавших в снятии блокады с авиабазы Квейрис в провинции Алеппо

    Oposição síria não vai condicionar negociações de paz em Genebra a saída de Assad

    © Sputnik/ Valeriy Melnikov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    750

    O enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, disse neste sábado que a oposição no país não impôs a saída de Assad como condição para negociações de paz. Mudança de posicionamento indica flexibilidade em relação ao futuro político sírio.

    A questão da permanência de Assad sempre foi motivo de divergência em rodadas anteriores de negociação no processo de paz em Genebra, na Suíça. Uma nova tentativa de conciliação deve ser feita na sede da ONU na cidade na próxima terça-feira.

    O enviado especial adjunto da ONU, Ramzy Ezzeldin Ramzy, se reuniu com o vice-ministro de Relações Exteriores, Faisal Mekdad. Após o encontro, Ramzy adiantou que as novas tratativas devem girar em torno de quatro pontos: a criação de uma nova constituição, novos parâmetros para realização de eleições, aspectos relativos a governança e combate ao terrorismo. 

    "O processo político é difícil e complicado porque a situação na Síria é complicada, então estamos construindo nossa estratégia um passo de cada vez. Espero que a próxima rodada, com a participação efetiva do governo e a presença de uma oposição unida, contribua para que a questão avance", disse Ramzy, citado pela agência Associated Press.

    Pelo menos 36 membros da oposição devem participar da reunião na terça. Na noite de ontem, o cardiologista Nasr Hariri foi eleito para liderar o grupo depois de três dias de votações em Riade, na Arábia Saudita.

    Tags:
    ONU, Associated Press, Nasr Hariri, Staffan de Mistura, Faisal Mekdad, Ramzy Ezzeldin Ramzy, Arábia Saudita, Riade, Genebra, Suíça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik