14:27 21 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia Tayyip Erdogan em discurso na 71ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas

    Ocidente está tomado pelo neonazismo e quer dividir o mundo islâmico, diz Erdogan

    © AP Photo / Richard Drew
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13133
    Nos siga no

    O Ocidente está exportando os piores elementos para os países islâmicos na tentativa de garantir seu próprio futuro, afirmou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que declarou ainda que a islamofobia, o neonazismo e o racismo estão substituindo valores como a democracia e os direitos humanos nos países ocidentais.

    "A falta de resposta à violência que tem ocorrido na Síria há sete anos, ao tratamento desumano que os refugiados são submetidos nos portões da fronteira, e ao genocídio do Rohingya [em Mianmar] revelaram o verdadeiro rosto do Ocidente", disse Erdogan, citado pela agência turca Anadolu.

    "A islamofobia, o neonazismo e o racismo [estão] começando a substituir cada vez mais os valores como a democracia, os direitos humanos e as liberdades no Ocidente", acrescentou o líder da Turquia.

    De acordo com Erdogan, "o Ocidente exportou todos os tipos de elementos doentios para as nações islâmicas na tentativa de garantir seu próprio futuro".

    O presidente turco mencionou especificamente o Daesh, a Al-Qaeda, o Boko Haram, o YPG curdo e os apoiantes do clérigo turco exilado Fetullah Gulen — a quem Ancara culpa por uma tentativa de golpe fracassada no ano passado — dizendo que esses grupos têm "transformado toda a nossa região com um grande banho de sangue".

    Erdogan advertiu que "um cenário está sendo montado para dividir o mundo islâmico, os muçulmanos, para destruir seus valores e, mais perigosamente, o seu futuro". E o mundo islâmico, de acordo com o líder da Turquia, atravessou um período de dificuldades nos últimos anos. "Literalmente uma era de instigação", destacou.

    Apesar de ser um membro da OTAN e uma forte aliada ocidental há décadas, a Turquia vive relações tensas com os EUA e a União Europeia (UE) nos últimos anos. Entre uma série de questões, o abismo com Washington caracteriza-se principalmente pela falta de vontade de Washington de extraditar Gullen para a Turquia, além da manutenção do apoio ao YPG curdo, que Ancara considera uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a quem se refere como organização terrorista.

    Os laços turcos com a Europa foram comprometidos pela crise dos refugiados e as negociações paralisadas sobre a viagem sem visto de turcos para a UE, que Bruxelas paralisou, citando a recusa de Ancara em alterar suas duras leis antiterroristas. Palavras mais fortes também foram trocadas depois que alguns países europeus, notadamente a Alemanha, proibiram as aparições públicas dos ministros turcos antes do referendo turco de abril, sobre reformas constitucionais que expandiram significativamente os poderes de Erdogan.

    Na semana passada, o país culpou a OTAN por manchar seus líderes – do passado e do presente – e retirou suas tropas dos exercícios na Noruega, depois que o pai fundador da Turquia, Mustafa Kemal Ataturk, e o próprio Erdogan foram listados como inimigos durante um exercício assistido por computador. A OTAN pediu desculpas pelo incidente, que recaiu sobre um contratante civil norueguês que foi demitido por sua atitude anti-turca.

    Mais:

    Erdogan: EUA usam luta antiterrorista pra moldar Oriente Médio
    Erdogan pede que Rússia e EUA retirem tropas da Síria
    Estados Unidos não são uma democracia, diz Erdogan
    Tags:
    muçulmanos, islâmicos, islamofobia, nazismo, racismo, União Europeia, Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Unidades Populares de Proteção do Curdistão (YPG), Boko Haram, Al-Qaeda, Daesh, OTAN, Mustafa Kemal Ataturk, Fetullah Gulen, Recep Tayyip Erdogan, Rohingya, Mianmar, Noruega, Europa, Estados Unidos, Ocidente, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar