16:57 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Militares turcos

    'OTAN declara guerra psicológica à Turquia'

    © AFP 2018 / Ilyas Akengin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7110

    As relações entre Ancara e a Aliança Atlântica se agravaram após as imagens de duas personalidades turcas terem sido colocadas em um mapa como "inimigos" durante as manobras da OTAN na Noruega. Os políticos turcos explicaram à Sputnik Turquia por que é necessário rever as relações entre a Turquia e a OTAN.

    Após o recente escândalo em que o nome do presidente Recep Tayyip Erdogan e do fundador da República da Turquia, Mustafa Kemal Ataturk, foram colocados no mapa de "posições inimigas" da aliança nos exercícios na Noruega, na sociedade turca surgiram novas discussões sobre a necessidade de rever as relações entre a Turquia e OTAN e sobre a perspectiva de saída de Ancara da aliança.

    "Podemos viver sem ser membro da OTAN, se for possível, podemos sair dessa organização", disse Devlet Bahceli, do Partido do Movimento Nacionalista (MHP).

    Anteriormente, o líder do partido turco Saadet (Partido da Felicidade) Temel Karamollaoglu, disse que "a Turquia, sendo o único país muçulmano na OTAN, deve rever as suas relações com a aliança". 

    O vice-presidente do Partido do Movimento Nacionalista Erkan Akcay comentou à Sputnik Turquia a situação atual nas relações entre Ancara e a OTAN.

    Segundo ele, a Turquia tem cumprido todos os seus compromissos perante a OTAN desde 1952, quando aderiu à aliança. Sublinhando que a Turquia é um dos maiores países integrantes da OTAN e que o país respeita os objetivos e conceções da aliança, ele afirmou que "a OTAN, por sua vez, não tem comprido as suas obrigações perante a Turquia".

    O político turco disse que Ancara, como membro da aliança, deve ser apoiada pela OTAN. Mas na realidade essa organização "se tornou um instrumento de provocações contra a Turquia, frequentemente agindo como o centro dessas provocações".

    "Tudo isso mostra que a OTAN começa uma guerra psicológica contra a Turquia. É por isso que levantamos a questão da necessidade de integrar a OTAN. A aliança mostra uma série de traços hostis em relação à Turquia", disse Akcay, sublinhando que a aliança divulgou pelos seus canais o mapa do Tratado de Sevres (o acordo de paz celebrado entre os Aliados e o Império Otomano, assinado em 1920) que prevê a partição da Turquia.

    De acordo com Hasan Bitmez, o vice-presidente do Partido Saadet, a saída da OTAN não prejudicará a Turquia. Ancara deve defender a sua segurança fora da aliança. 

    "As prioridades da OTAN concentram-se nos seus próprios interesses. A aliança quer usar a Turquia como um escudo para se defender das ameaças externas. É por isso que é necessário rever as relações entre a Turquia e a OTAN. A segurança da Turquia e a segurança do Ocidente são duas coisas diferentes. Devemos entender isso. A Turquia deve encontrar um novo conceito de segurança fora da OTAN", disse ele.

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, desculpou-se duas vezes pelas ofensas em relação à Turquia, e o ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen, expressou seu pesar e assinalou que a pessoa que inseriu os materiais era um contratado civil e não um militar da OTAN. Contudo, Erdogan achou as desculpas insuficientes.

    Mais:

    OTAN diz que é cedo para Ucrânia e Geórgia entrarem na organização
    Mídia: OTAN precisa responder ao novo bastão nuclear do Kremlin
    Países da OTAN possuem mercados para indústria bélica do Brasil explorar, dizem analistas
    Tags:
    segurança, relações bilaterais, OTAN, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik